Quer desenvolver a sua inteligência emocional? Aprenda a interpretar as suas emoções - Miguel Lucas
Psicologia Comportamental 22/09/2016

Quer desenvolver a sua inteligência emocional? Aprenda a interpretar as suas emoções

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas

Todos nós sem exceção somos seres emocionais, e experimentamos numa base diária uma ampla gama de emoções. Às vezes experimentamos fortes emoções que nos cutucam para lhes dar a nossa atenção e nos incitam à ação. As suas emoções dizem-lhe que, se você agir de acordo com o incentivo que elas estão dando, a sua dor desaparecerá. Você sentir-se-á menos zangado, menos ciumento, menos ansioso ou diminuirá o seu sentimento de abandono. Ou, se você atender ao chamado das suas emoções, elas irão proporcionar-lhe prazer e paixão como nunca conheceu.

Mas, quantas vezes você já ouviu falar de alguém que destruiu a si mesmo, prejudicando a sua família e filhos no interesse de apaziguar um desejo insaciável! E quantos de nós já expressámos raiva ou fúria, e em retorno sentimos essas emoções intensificadas, ou exigimos garantias ou fizemos acusações ou tentamos segurar alguém apenas para proteger o medo do abandono? A questão que se coloca, é: Porquê?

A razão é: As suas emoções não se importam consigo.

Qual o principal propósito das emoções?

Muitos de nós sentimos as nossas emoções tão fortemente que parecem inegáveis ​​e aceitamos isso como verdade absoluta. No entanto, as emoções são apenas a maneira que o corpo tem para nos fornecer informação sobre o mundo ao nosso redor. Se estivéssemos agindo como cientistas, teríamos tempo para avaliar essas informações e tirar conclusões lógicas com base na nossa análise.

No entanto, muitos de nós agimos de acordo com as nossas emoções sem grandes dúvidas. Parecemos assumir que as nossas emoções se preocupam conosco e querem que sejamos felizes. No entanto, isso está longe da verdade. As nossas emoções só querem manter a nossa sobrevivência e promover a reprodução. Esse é o propósito delas.

identificar as emoções

A sua ansiedade, por exemplo, quer mantê-lo alerta para possíveis ameaças e colocá-lo pronto para agir rapidamente. E se você agir dessa forma, provavelmente irá piorar a situação e acabar triste, deprimido e angustiado. Mas, para a ansiedade, o seu objetivo vale a pena. Você está vivo. O mantra da sua ansiedade pode ser traduzido para: “melhor prevenir do que remediar”.

Da mesma forma, a sua raiva pode querer dizer-lhe que há um obstáculo no seu caminho ou uma ameaça que precisa ser eliminada. E se você prestar atenção ao seu chamado e ferir alguém que ama, ou arruinar uma amizade, ou de outra forma sofrer as consequências como resultado do dano que infligiu, a sua raiva “dirá” que valeu a pena. Você está vivo. Melhor prevenir do que remediar.

E o seu ciúme romântico, quer que você segure o desejo do seu coração, nem que seja apenas por mais uma noite. Desde que você tenha uma chance de se reproduzir, para o ciúme isso é suficiente. A sua emoção (ciúme) não se preocupa com a saúde do seu relacionamento a longo prazo ou se você irá ficar sozinho e com o coração partido amanhã. Por uma noite, vale a pena.

Certamente você pode estar a pensar que não há como ignorar as suas emoções. E se estiver a pensar isso, tem toda a razão. E eu não pretendo que você ignore. O que eu recomendo é o seguinte:  

Use as suas emoções para o propósito pretendido

Use as suas emoções (principalmente as emoções incómodas) essencialmente para lhe fornecer dados sobre o ambiente, informações para ajudá-lo a tomar boas decisões. Se existisse um dispositivo de medição que você utilizasse para ter certeza de que estava a tomar decisões de qualidade, testaria a confiabilidade e a precisão desse instrumento? Se a sua escala fosse excessivamente sensível, você ficaria extremamente atento para obter uma medida precisa? Se o seu termómetro desse uma leitura falsa e dissesse que estava mais quente do que na verdade estava, você faria um ajuste e tentaria perceber qual o erro de leitura?

Acredito que sim! Então porque não fazer o mesmo com as suas emoções?

Verifique a confiabilidade dos seus sistemas emocionais e avalie se eles estão dando leituras precisas

Se a sua ansiedade é mais forte do que uma situação exige, lembre-se disso para a próxima vez e leia-a como indicando um grau menor de ameaça. Se a sua raiva esquentar, suponha que o clima interpessoal é realmente mais justo. Se o seu desejo é tão forte que você faria qualquer coisa para saciá-lo, lembre-se de que esse desejo virá novamente, e se é justificável as ações que pretende realizar.

Se as suas emoções não estão bem calibradas, então você vai querer fazer mais do que uma medição

Exceto em situações de vida ou morte, raramente há um momento na sociedade moderna em que você tenha que agir imediatamente. Por isso, pondere as suas ações sempre que surjam emoções negativas repentinas. Use a sua consciência, pondere os prós e os contras daquilo que as suas emoções estão indicando para você fazer. Na verdade, a inteligência emocional expressa-se sempre que conseguimos passar as nossas emoções pelo filtro da nossa consciência, para avaliá-las, acalmá-las, regulá-las e perceber se estão adequadas à situação ou não.

Atrase a ação e faça outra medição (avaliação) em outra ocasião

Se você está com tanta raiva que sente urgência em escrever um longo e-mail informando a alguém como ele o enganou e o que você pensa sobre isso, adie a ação e não envie. Pergunte a si mesmo: “Se eu não tomar medidas agora, neste exato momento, alguma coisa mudará?” A resposta geralmente será não. E se você esperar e medir (avaliar) a sua raiva no dia seguinte e ela for mais baixa, então ficará a saber que estava exacerbada. Poderá até esperar mais um dia e avaliar a sua raiva novamente. Assim, uma vez que você tenha um indicador preciso do seu verdadeiro nível de raiva e da situação, pode simplesmente optar por não enviar esse e-mail.

Lembre-se, amar a si mesmo e manter-se em alta consideração, às vezes pode significar tolerar as suas próprias emoções negativas, não dar-lhes mais peso do que merecem, e então tomar boas decisões a longo prazo para a saúde e felicidade da sua vida e da vida dos outros.

Para aprofundar este assunto, leia: Aprender a gerir as emoções

Abraço,

Miguel Lucas

Novo usuário?
Comece aqui
AULAS AO VIVO TODAS AS SEMANAS!
AULAS AO VIVO TODAS AS SEMANAS!

Supere de uma vez por todas a sua Ansiedade!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *