Mudança comportamental e gestão emocional no trabalho

Mudança comportamental e gestão emocional no trabalho

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas

As exigências do cliente, concorrência exacerbada, emergência do serviço, pressões dos accionistas, colocam as empresas numa constante reestruturação. Já não é necessário demonstra-se a necessidade da mudança e da adaptação. O objectivo desta adaptação é ajustar-se às evoluções do meio que se vão acelerando e até mesmo precede-las. Hoje em dia, as organizações são obrigadas a considerar a mudança como um estado permanente. A mudança é a aprendizagem de um novo comportamento. Qualquer mudança visível assenta numa modificação do comportamento do indivíduo ou da organização. Simultaneamente é acompanhada por uma modificação dos conhecimentos correspondentes à nova experiência realizada no plano comportamental, que coloca os indivíduos em estados de “alerta” para a necessidade de responder de forma eficaz à alteração de rotinas e hábitos que podem em determinadas situações gerar ansiedade e stress disfuncional.

A ansiedade e o stress podem ser entendidos como tentativas do indivíduo (veja que não uso o termo mental nem físico) em adaptar-se a alguma nova situação, trata-se de uma mobilização global do organismo que aparece quando este é submetido a uma tensão suficientemente forte. Devemos ter presente, que a ansiedade e/ou o stress não são doenças em si, mas podem proporcionar o desenvolvimento de outros problemas.

Este sistema de defesa que a biologia instilou em nós ao longo da evolução é algo de extraordinário, mas na vida actual com todas as subtilezas que ela nos revela, não poderá «virar-se o feitiço contra o feiticeiro»? Não há como evitar a conclusão de que o actual sistema de defesa se tornou, por si mesmo, uma ameaça fundamental à nossa saúde. Não seremos capazes de aumentar, ou mesmo manter a nossa saúde, e de igual forma sermos funcionalmente competentes se não adoptarmos profundas mudanças no nosso sistema emocional e na organização social.

Daniel Goleman (1998), um reputado psicólogo norte americano no seu livro “Trabalhar com Inteligência Emocional “, aponta para a importância de se promover uma nova educação que esteja atenta não só à transmissão do saber tecnológico, mas que também desperte nas pessoas a necessidade de aprender a gerir pressões, emoções e sentimentos na tentativa de lhes permitir alcançar estados que facilitem desempenhos eficazes e funcionais. Se a mudança pode ser concebida como uma modificação do comportamento dos indivíduos, numa determinada situação, pode ser reduzida à aprendizagem de novos comportamentos e à aquisição de novas representações, habilidades e capacidades.

Que habilidades e competências humanas fazem parte dos ingredientes para a excelência na liderança e no trabalho?

BOM DOMÍNIO DAS TENSÕES PSICOLÓGICAS

Para favorecer a mudança para a excelência, é necessário reestruturar os comportamentos dos empregados que estão no centro dos desafios estratégicos da empresa. Escolher a mudança para o talento humano como valor prioritário no funcionamento de uma organização, pode ter de passar pela promoção e gestão emocional no mundo do trabalho. O bom funcionamento das organizações exige dos seus empregados, supervisores e gestores, uma boa capacidade para motivar e um bom domínio das tensões psicológicas que se exprimem, na maior parte das vezes sobre a forma de emoções.

As emoções são o produto de um desequilíbrio homeostático, ou seja, um estímulo que provoca uma resposta, resposta essa que está dependente de vários sistemas que se comunicam entre si, com o propósito de reporem o equilíbrio, a expressão desse equilíbrio é conhecido pela forma mais apurada da emoção, o sentimento. As nossas emoções podem levar ao embaraço ou favorecerem a nossa capacidade de pensar e planear, de cumprir um horário, de resolver problemas, pelo que estabelecem os limites da nossa competência para utilizar as nossas aptidões mentais inatas, e portanto determinam as decisões que tomamos na nossa vida e como nos saímos nela, em suma, não podem ser bem elaboradas tendo como alicerce apenas a racionalidade pura.

Torna-se premente elevar o nível de consciência relativamente ao estado emocional de cada indivíduo, saber exprimi-lo de forma funcional e ensinar a controlar as emoções prejudiciais para a execução das tarefas e consequente desempenho, assim como contribuir para a promoção das relações interpessoais, aumento da motivação e satisfação no trabalho e de igual forma para o bom funcionamento organizacional.

A VERDADE SOBRE AS EMOÇÕES NO TRABALHO

Uma das formas como as emoções negativas se expressam no local de trabalho, é nos membros pertencentes a uma equipa, quando não existe cooperação nem disponibilidade para com os colegas. Isto normalmente é uma reacção com a intenção de magoar sentimentos. No local de trabalho as pessoas tendem a dar respostas emocionais, pois vêem os colegas como uma extensão familiar, comportando-se como se fossem membros da família. Se a família/organização tem boas habilidades comunicacionais e existe interacção positiva, desenvolvem-se comportamentos funcionais e adaptativos resolvendo as diferenças de forma apropriada. Se por outro lado, a família/organização é disfuncional, as pessoas comportam-se por vezes como se fossem crianças a brincar na areia – “o teu camião bateu no meu, e eu nunca mais quero brincar contigo.”

Quando as pessoas se sentem magoadas, podem de forma inconsciente tornarem-se em sabotadores, verificando-se isto das mais variadas formas, incluindo, o não cumprimento de prazos, tratar de forma inadequada um cliente, estragar recursos. Noventa e nove por cento do tempo, isto são comportamentos que acontecem de forma inconsciente. As pessoas nem sempre são conhecedoras que estão a ter comportamentos prejudiciais para a produtividade e rendimento, dado que a grande parte das nossas acções processam-se de forma inconsciente. Se as emoções negativas e disfuncionais não forem levadas em consideração, as organizações por certo vão ter perdas significativas relacionadas com o rendimento dos funcionários, assim como perdas relacionadas com os clientes, sucesso financeiro e marketing.

FACTORES CHAVE PARA A MOTIVAÇÃO

Todas as organizações querem ter na sua equipa pessoas motivadas. As organizações gastam tempo e dinheiro para motivar os seus funcionários. Querem construir e desenvolver a paixão, e o que é a paixão, senão emoções? Ou seja, por um lado as organizações esforçam-se para criar sentimentos que sirvam os seus interesses, e por outro, suprimem esses mesmos sentimentos. Não podemos ter pessoas motivadas se não promovermos as boas emoções e os sentimentos adaptativos. As organizações devem centrar-se no equilíbrio emocional dos funcionários assim como num ambiente de trabalho saudável.

Pessoas motivadas e apaixonadas fazem as coisas acontecerem. Motivação, criatividade, e produtividade são factores que todas as organizações querem ver presentes. Apresento-lhe 6 formas para encorajar as emoções positivas nas organizações:

  • Criar um ambiente de abertura; encorajar as pessoas a falar
  • Transmitir a informação de forma clara e perceptível
  • Abertura para expressar as emoções acerca da organização
  • Dar formação aos funcionários sobre resolução de conflitos
  • Criar um ambiente descontraído
  • Admitir que nem todas as tomadas de decisão surtem efeito

Até Já!

Novo usuário?
Comece aqui
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”

Receba os vídeos gratuitamente no seu email e aprenda como superar a depressão.

Comentários
Avatar for Miguel Lucas
Laérth Santos

Bom, mais diz uma coisa, conhece algum livro interessante relacionado ao poder da motivaçao no meio do trabalho.

Já li alguns mais faz um tempinho, o último que li foi a mais de 5 meses “O líder Samurai – Liderando com a coragem, a integridade e a Honra do Código Samurai”

Dá uma dica aí!

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Laérth Santos, tenho em casa um livro de um grande speaker motivacional norte americano que é o Brian Tracy. O livro intilula-se Focal Point e está escrito em inglês, não sei se já estará traduzido para a língua portuguesa.

Tenho ainda mais uma recomendação penso que mais ao seu estilo que é: Zen e a arte do tiro com arco…é um culto à disciplina mental e à ligação desprendida com aquilo que nós fazemos no dia-a-dia.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
DanyOctrome

Olá Miguel!

Ter os trabalhadores motivados é o que todo o patrão quer. Mas se o patrão só os quer ter motivados e não os quer motivar, eles acabam por querer salário e não emprego.

É um ponto que acho que todos os patrões bem como todos os líderes têm de apostar.

Tenha uma boa continuação.

Avatar for Miguel Lucas
Bruna Gaeta

Miguel, boa tarde.

Novamente vc foi espetacular em sua explanação sobre comportamento organizacional. Estou escrevendo um artigo em meu blog e vou citar o seu, com o link.

Fantástico. Parabéns por sua competência!

Um abraço!

Avatar for Miguel Lucas
Januario Raul Joao

Na verdade gostaria saber mais questoes relacionadas com a disciplinas nos aspectos de lideranca e organização de empresas e ou instituição afins. Que fazer?

Avatar for Miguel Lucas
Aldrin

On estar o ebook de graça?

Avatar for Miguel Lucas
ricardo.

eu avalio quer alguns trabalhadores ,ser disfazen de um emprego com um nível de salário baixo,mas eu garanto guer um fucionàrio que não demostra interesse ,gualidade , profissional para o mercado,ele nunca enxergaria os benefícios que as empresas oferece para os empregados além do salário.è melhor ser motivado para empresas ,quer empresas buscas nossas motivação.

Avatar for Miguel Lucas
Juliana Vasconcelos

Na verdade, estou fazendo uma pós graduação e estamos nesta disciplina de psicologia do trabalho. Tenho que fazer um trabalho ou teórico ou prático sobre essa área e estou bastante perdida. Queria fazer algo prático. Recomendaria algum tema, ou algum tipo de trabalho a respeito deste assunto?

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *