hábitos mentais para diminuir o sofrimento emocional
Saúde e Bem-Estar 22/09/2016

hábitos mentais para diminuir o sofrimento emocional

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas


Durante o nosso tempo de vida, todos sem excepção experimentamos a realidade do sofrimento emocional. Certamente, cada um de nós terá as suas razões. Não é saudável ignorar as causas reais de acontecimentos de elevado impacto. Sentir é uma condição humana. Estamos geneticamente equipados para sentir emoções ligadas a acontecimentos que percepcionamos como ruins, como por exemplo a perda, dor, solidão, fome, ausência de abrigo, desprezo, injustiça, desilusão, decepção, entre outros. Mas o que dizer do sofrimento autoinfligido, o que dizer do sofrimento edificado em crenças irrealistas, promovido por formas de pensamento derrotista, exacerbado por maneiras rígidas de olhar o mundo? Esse é o tipo de sofrimento emocional considerado desnecessário, e que tanta dor trás a muitos de nós.

Em grande parte, independentemente das razões de cada pessoa, na base do sofrimento emocional está o movimento do pensamento. Sempre que viajamos no nosso passado, para fazer comparações depreciativas, ou para nos focarmos em memórias que nos fazem disparar a tristeza ou nos reforçam o sentimento de incapacidade ou derrota, sofremos com isso. Sempre que nos projetamos no futuro, imaginando o que gostaríamos de ter, alcançar ou conquistar, e construímos a ideia de que não temos meios, nunca iremos ser capazes, ou o que imaginamos é só para alguns eleitos, sofremos com isso. Sempre que estamos no momento presente, e fazemos disparar em nós o movimento do pensamento construindo cenários mentais que nos botam para baixo, ou nos fazem ver um filme mental que relata o quão miseráveis, infelizes ou inferiores somos, sofremos com isso.

Muitos autores têm vindo a referir a importância de viver o momento presente, e em certa medida eu concordo com esta ideia. Mas também concordo que inevitavelmente existem muitos estímulos externos que nos fazem disparar memórias antigas que podem remeter-nos para o sofrimento. Por outro lado, todos nós temos um forte impulso para nos projetarmos no futuro, e não existe mal algum nisso. Portanto, torna-se evidente que nos movimentamos constantemente nesta linha de tempo que é constituída pelo passado, presente e futuro. Não lhe podemos fugir. Não seríamos funcionais se não recordássemos as nossas experiências, nem teríamos uma vida significativa se não tivéssemos perspetiva de futuro. O que importa é saber caminhar nesta linha temporal, sem nos confundirmos com ela, sem nos fundirmos ou resumirmos a ela, e perceber que temos a capacidade de criar hábitos mentais que permitem libertarmo-nos do sofrimento projetado pelas nossas mentes sempre que ficamos a viver o filme mental do passado ou do futuro e trazemos “esse” sofrimento para o presente.

Apresento sete passos em que pretendo ensinar habilidades práticas para alterar os estados mentais dolorosos antes que eles possam tomar o controle e prejudicar a sua vida. São sete tomadas de consciência simplificadas (hábitos mentais) que podem aliviar o seu sofrimento emocional e, assim, ajudá-lo a tornar-se mais consciente da capacidade que possuí para estar no controle da sua mente.

1. LIBERTE-SE DAS SUAS HISTÓRIAS DE SOFRIMENTO VITIMIZANTE

Todos somos contadores de histórias acerca das nossas experiências. A forma como narramos os acontecimentos de impacto negativo, tem enorme influência na forma como posteriormente olhamos a vida. Se de forma esperançosa ou de forma vitimizante. Histórias distorcidas sobre o seu passado ou visão do futuro podem ser uma experiência que permite perceber o quão você pode estar perdido em pensamentos negativos, torturando-se com acontecimentos dramáticos. Esforce-se para perceber a forma como narra os seus acontecimentos, como se prende e identifica com eles, ao ponto de construir um cenário mental catastrófico que apenas passa tudo o que de errado aconteceu ou vai acontecer com você.

Para aprofundar o assunto, leia:

momento presente

2. MANTENHA-SE NO MOMENTO PRESENTE

Sempre que você estiver a vaguear num mar de pensamentos recorrentes de angústia, decepção, tristeza profunda, e sentir que o seu sofrimento disparou, traga o seu pensamento para o momento presente. Abandone o movimento do pensamento e mantenha-o no momento presente, fixando a atenção em algo que esteja a fazer, ou simplesmente na sua respiração. Faça isso. Abandone o julgamento do seu passado, deixe por momentos de projetar-se no futuro, fique consigo.

3. SINTA O SEU CORPO

Tome consciência do seu corpo. Entre em sintonia com as sensações do seu corpo. Utilize o passo anterior. Abrace o momento presente, e foque a sua atenção nas sensações que o seu corpo lhe proporciona. Por vezes podem ser sensações desagradáveis, mesmo assim tente perceber a sua localização para que conscientemente possa aliviar o incómodo. Se forem boas sensações, geralmente são, por exemplo, a sensação de uma xícara de chá, ou do cabelo ao vento, ou do sol no rosto, o aconchego de um abraço. o seu corpo pode ser uma porta de entrada para a tomada de consciência de alguns hábitos que podem aliviar o seu sofrimento. No exato momento que fica com as suas sensações corporais, o seu pensamento deixou de movimentar-se. A sua mente está ocupada com a contemplação das boas sensações.

4. ACEITE OS SEUS SENTIMENTOS DESAGRADÁVEIS

Uma das condições humanas é sermos sensíveis. Temos a capacidade de sentir um alargado leque de emoções. Umas gostamos, são prazerosas, e outras detestamos, são desagradáveis. Mas, não podemos não sentir as que não gostamos. Por isso, importa reconhecer os seus sentimentos desagradáveis, como a raiva, a tristeza, a autocrítica negativa, inveja ou preocupação excessiva e tratá-los de maneira amigável, como algo que se expressa no seu corpo. Para que este exercício possa ser possível de realizar você tem de entender que não é os seus sentimentos. Você tem de entender que existem sentimentos que se manifestam em você, mas que nem sempre tem de julgar ser aquilo que está sentindo. Quando você ouve o som do sino da igreja, sabe perfeitamente bem que não é o som que o sino imite. No entanto, ele expressa-se no seu corpo. Assim funcionam alguns dos nossos sentimentos. Precisamos aceitá-los, mas não temos de nos fundirmos a eles, julgando ser o que sentimos. Reconhecer a presença de uma experiência desagradável é em si um momento de tomada de consciência daquilo que está acontecendo em nós ou fora de nós. Aceite os seus sentimentos desagradáveis, não lute contra eles, essa é uma luta inglória. Depois distancie-se o suficiente dos seus sentimentos para que possa deixar de reagir e tomar ações em consciência.

Para aprofundar o assunto, lei: Porque os sentimentos negativos podem ser surpreendentemente bons para você?


5. PRATIQUE A AUTOCOMPAIXÃO

Por vezes, perante determinados acontecimentos de vida acionamos a autocrítica interna, bombardeando a nós mesmos com críticas devastadoras. Viramo-nos contra nós, não conseguimos aceitar determinados comportamentos que realizamos ou até mesmo formas de pensamento que nos guiam. Não nos perdoamos por erros e fracasso, ou por alguma encruzilhada de vida que possamos estar a enfrentar. Perante este tipo de atitude audodestruidora, passamos a ser o nosso maior inimigo. Deixe de botar-se abaixo, tente compreender-se a si mesmo para que possa suportar a sua dor com empatia. 

Autocompaixão significa ser razoável consigo mesmo, praticando a generosidade e simpatia. Não é autopiedade, mas sim um reconhecer e aceitar a sua condição humana, a sua imperfeição e possibilidade de sofrimento. No fundo, ser empático com você, do mesmo jeito que seria para o seu melhor amigo ou parceiro.

6. DEIXE DE JULGAR OS OUTROS

Avaliar os outros não é a mesma coisa que julgar os outros. Avaliar é um ato que pode ser considerado neutro, uma habilidade que é necessário para a sobrevivência e adequação à vida. Julgar, pode tornar-nos rígidos na forma de pensar, querendo que as coisas sejam da forma que julgamos que deveriam ser. “Ele está gordo, deveria perder peso” ou  “Ele é uma pessoa imprudente.” Na base do não julgamento está o respeito pelos outros, pelas suas opiniões, formas de estar na vida, e até mesmo sobre o seu passado e condições de vida. Podemos não apreciar ou até mesmo não gostar de algo ou de alguém, mas não temos necessariamente de julgar à luz dos nossos olhos. Quando julgamos impunentemente, estamos constantemente a direcionar a nossa atenção para estímulos que nos causam mal-estar, e com isso alguma forma de dor emocional.

“Em mim habitam muitas limitações, preconceitos e insensibilidades impostas pelos outros, pela sociedade e cultura.
Às vezes tão incisivas que me fazem olhar para mim de forma rígida, cheias de “ses” e “devias”,
Critico-me a mim, aos outros, às coisas, aos ricos, aos pobres, aos muçulmanos, aos cristãos, aos gays, aos do norte, aos do sul,
Sempre com a dose certa de malícia, suficiente para obscurecer a minha bondade, empatia, compaixão, solidariedade,
Tudo isso por medo, por tomar partido, por proteção, por vaidade, por supremacia, talvez até por sobrevivência,
Dia a após dia, vou ficando encarcerado pela minha maledicência que me afasta do amor,
O amor, tantas vezes esquecido,
justifico esse esquecimento pela mágoa, pela “casca” dura que o olhar com desdém construiu,
Vivo dentro dessa fortaleza que me afasta da humanidade,
Que me mantém longe da expressão livre e simplista da minha mais profunda natureza – o amor e a capacidade de ser amado,
Nos recônditos da prisão que construí á minha volta, sempre no pressuposto de me proteger, de afastar “aqueles” que julgo serem diferentes (piores),
Isolei-me de todos, inclusive dos que julgo serem iguais a mim,
Olhei mais profundamente e à minha volta vi tantos iguais a mim, também eles presos nas suas prisões construídas por eles próprios,
Eu, eles, e os outros, estamos vivendo em prisões que nos obrigam a distanciarem-nos,
que nos obrigam a deixarmos de nos expressarmos livremente com as convicções que deveriam ser respeitadas,
Que nos impedem de nos ajudarmos,
que nos impossibilitam de nos olharmos como iguais num mundo que é de todos e para todos,
Talvez todos, eu você e os outros devêssemos abrir as nossas próprias prisões (corações) e contribuir para que outros abram também as portas das suas próprias prisões (corações),
Corações abertos são a expressão de uma alma fraterna.
Vamos abrir os nossos corações.”

– Miguel Lucas

7. ABANDONE A INVEJA E O RESSENTIMENTO

Estes dois estados mentais são a fonte de sofrimento para muitos de nós. Ser capaz de se sentir “alegria apreciativa” pela sorte e boa fortuna dos outros pode ser preciso muita prática. Tente perceber o que os outros fazem ou fizeram para serem bem sucedidos, e mesmo que depois dessa análise não entenda o porquê, aceite. Relativamente ao ressentimento de algo ou de alguém, tente perceber o que esse sentimento lhe está querendo dizer. Que valor está na base do seu ressentimento, o que isso diz acerca de você mesmo. Depois, se puder fazer algo para minimizar os danos colaterais associados ao ressentimento, faça. Se acha não poder fazer nada, ou não quer fazer nada, leve em consideração que o sentimento de ressentimento existe em você e não nos outros ou nas coisas. É você que está a prejudicar-se agindo ressentido, e não os outros. A parte mais difícil é tomar a decisão de deixar ir embora os seus ressentimentos. Utilizo a ideia de “deixar ir”, porque trata-se disso mesmo, se cada vez que esse pensamento ou imagem de ressentimento lhe surgir na mente, se não focar a sua atenção nele, se não o alimentar através do foco na recordação do acontecimento angustiante, ele acaba por desaparecer.

Abraço,

Miguel Lucas

 

Novo usuário?
Comece aqui
Baixe Grátis o e-book “Seja Um Vencedor”
Baixe Grátis o e-book “Seja Um Vencedor”

Preencha os seus dados abaixo e receba esse e outros materiais por e-mail.

Comentários
Avatar for Miguel Lucas
Felipe

Muito bom! Seus textos são de grande ajuda em minha vida.

Dois meses atrás comecei a praticar atletismo, 100 e 200 metros. Foram quatro provas até o momento, 2 primeiros, 1 segundo e 1 terceiro colocado. Vi que tenho um potencial para este esporte, apesar de muitos olharem com cara de desconfiado quando falo que sou velocista, tenho 1,81 de altura e 70 kg com 19 anos, se for analisar não tenho perfil de velocista, mas eu nutro a minha mente com coisas positivas, tenho uma passada larga, minhas panturrilhas são fortes. Se for analisar pelo meu perfil, sou franzino, mas olho no espelho e me vejo com um super man. Utilizei sua técnica de treinamento, utilizando projeção mental, e confesso que é uma arma poderosa e diferente, usarei muito dela. Enfim, você poderia recomendar algo a mais, gostaria de ganhar força muscular, algum treino especifico, melhorar alguns pontos. Pouca grana pra academia =/. Mas topo qualquer exercício, desde Air Alert, flexão, andar de bike…

Aqui tem um vídeo da última competição que participei, Jogos Abertos de Toledo-PR, onde obtive a marca de 10.50, detalhe que não tinha bloco de largada.

Se você puder dar uma olhada rápida e colocar sua opinião, pode ter certeza que estaria impulsionando grandemente a vida de uma pessoa.

http://www.youtube.com/watch?v=ck-g3XRd1iI

E

Estou lendo Eckhart Tolle, mais exato, O Poder do Agora. Gostaria de saber o que você acha dos ensinamentos que ele passa?

Tempos atrás li O Despertar de Uma Nova Consciência, magnifico, muito do que ele fala apliquei em minha vida, e a mudança foi enorme!!

Obrigado! Abraço!

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Filipe,

Fico contente que pratique uma modalidade esportiva que eu adoro. Filipe, siga aquilo que gosta e que acredita ser capaz de realizar e vá tentando melhorar a cada novo dia.

Caso pretenda informações específicas sobre as corrida de velocidade, envie um email para: geral@escolapsicologia.com

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
Benvinda Soares

Olá, estive a ler sua tese. Concordo e dou lhe os parabens, é o filho que qualquer mãe, gostava de ter.
Sempre fui lutadora, positiva e vencedora em tudo que lutei
Criei dois filhos , homens, Um foi sempre subdotado seguiu artes.
O segundo não menos inteligente,só deu troblemas.
Aumentei minhas defezas. Fui uma gerreira incansavel.
O que lhe possa ter acontecido ,ultrapassou todo meu ser, meus lemites.
O agora,,, saltei fora mas estou a criar o filho dele ,o qual me chama mãe.
Já não sou tão forte como era, a vida foi para mim madrasta.
Ele, agora com 7 anos está a ser desatento na escola e fala de mais na aula. Por muito que tente lhe esplicar que tem que estar quieto e calado, é quase impossivel. Tenho receio que herde carateristicas de meu filho que é o pai,
Gostava que me desse uma opnião se possivel,bem haja

Avatar for Miguel Lucas
Camila Falchi

A cada novo artigo que leio, mais te admiro!
Gostei deste em especial, muito esclarecedor.
Abs

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Camila, obrigado pelo comentário.

Fico contente por ter ajudado.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
danilo

Brilhante artigo.
completo e com perfeita expressao!

Avatar for Miguel Lucas
Flávia Barros

Olá , Miguel Lucas ,
Adorei o texto e, veio a calhar com o meu momento. Acredito que tenha siso útil a todos. Como é difícil fazer contato com o nosso lado obscuro. , admitir que temos inveja , ressentimento , medo é da ordem do insuportável. O que você escreveu é a mais pura verdade , pois, é necessário aceitar o nosso lado sombrio como etapa primeira.
Parabéns pelo belo texto.
Flávia

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Flávia,

É bom saber que o artigo serviu para aumentar a sua consciência daquilo que tem de tomar mais atenção e ficar ciente, pois só assim se pode trabalhar no que nos provoca mal-estar.

Tudo de bom, força e convicção.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
ghislene

Adorei parece que falou do que estou passando atualmente

Avatar for Miguel Lucas
rhane garcia

Não tenho muito tempo de convívio com um colega de trabalho que é vocal de uma banda local e admiro muito seu trabalho. como já disse, nossa convivência agora se faz necessária, pois funciono um pequeno negócio, no mesmo espaço onde ele é funcionário. O problema é que ele não tem caráter e rouba dinheiro, pertences de pessoas. É não estar muito atentos com nossas coisas e elas somem, misteriosamente. Na verdade todos, inclusive eu, precavêem-se com o sujeito, não deixando carteira à vista, um pen drive, um óculos de sol caro, enfim. Eu mesma já fui lesada duas vezes num pequeno e médio valor. O fato foi levado ao conhecimento de sua empregadora que tem muito apreço por ele, tanto que sempre lhe dá uma segunda chance. E eu realmente não gostaria de cultivar ressentimentos. Mas é difícil conviver com uma pessoa sem caráter, ser lesada e continuar convivendo como se nada houvesse acontecido, pois não posso acusa-lo numa conversa franca. Com toda sua falta de caráter ele provavelmente irá dizer que estou equivocada e irá se colocar numa posição vitimada pela acusaçao. Não gostaria de conviver com esse ressentimento.

Avatar for Miguel Lucas
ALEX

Dr.Miguel Lucas, o seu texto é sem sonbra de dúvida muito esclarecedor!.
Eu gostária de saber, se tem algum problema querer fazer psicológia ,para ajudar os outros e também a mim mesmo.
Um abraço, e que Deus te abençõe.

Avatar for Miguel Lucas
Miranda

Tenho gostado bastante dos seus textos.
Faço resumos das dicas e informações. Tenho precisado corrigir comportamentos prejudiciais acumulados ao longo da vida. Sentia-me perdida.
Parabéns!

Avatar for Miguel Lucas
zé sobrinho

Miguel, muito bacana!!

"Sentir é uma condição humana."

Se conhecer é ter consciência de nossa tríplice restrição pessoal e que pode ser afetada pelo meio ou terceiros, se quisermos ou se deixarmos.

Conhecer ‘todas’ nossas Emoções:Sentimentos:Estado e como isto impacta nossas vidas, para então fazer as escolhas que alteram esta tríplice restrição. A isso chamamos liberdade.

http://www.mindmup.com/#m:a13f0a25004ad80131f9a84ebbf140e015

Avatar for Miguel Lucas
ana claudia

Muito boa a abordagem!
Nos faz repensar práticas negativas que, se evitadas, fazem muita diferença.
Em nossa vida profissional ou pessoal passamos por movimentos de oscilação emocional. Ora estamos confiantes, ora nem tanto…
Isso me faz ler e reler seu artigo com mais atenção, buscando encontrar em mim meus sabotadores internos.
Obrigada por partilhar sua visão e experiência.

Avatar for Miguel Lucas
Goldman

Miguel Lucas, muito bom seu texto, espero que essas dicas possam me ajudar a superar a barreira que me impede de ter uma qualidade de vida melhor. Tenho síndrome do intestino irritável e quem sofre disso perde muito em qualidade…faço terapia e como a essência dessa síndrome vem do psicológico, tenho esperanças dessas dicas serem úteis!

Parabéns

Avatar for Miguel Lucas
L.F.

Já praticando minha gratidão: Obrigado!
Sempre que preciso venho aqui e consigo realmente recuperar minhas energias.
Ontem passei o dia inteiro pensando em algo muito ruim que aconteceu comigo esse ano. Porém aconteceram coisas maravilhosas e eu tinha não estava dando a importância devida em detrimento do fato negativo. Por vezes tentei isolar meus pensamentos, mas sem sucesso.
Só agora o estou conseguindo!

Deus nos ilumine sempre!

Avatar for Miguel Lucas
Lysia Diniz

Muito bom.
Um alerta para nossas próprias amarras. Ser feliz não é pra qq um. E dá trabalho.

Avatar for Miguel Lucas
Luiz Miranda

Muito positivo este artigo, e deixo a sugestão de complemantarmente ao exercicio mental (,,,) de que seja escrito, num caderno, todos os pensamentos e sensações oriundas nestes momentos citados; pois a escrita sugere o diálogo exteriorizado, quando jogamos ao universo aquilo que nos encomoda !
Esta pratica permite-lhe num momento posterior pesquisar as raízes de tais pensamentos…

Valeu,

Avatar for Miguel Lucas
MARIA HELENA

PRÁ VC VER NEM MEU COMENTARIO QUE COLOQUEI AQUI AGORA FOI ACEITO….

Avatar for Miguel Lucas
Claudia Atas

Recomendações que sempre vale a pena lembrar e praticar. Bom artigo.

Avatar for Miguel Lucas
Welligton Jose Alves

As informações, as li quase todas. Estou tentando pratica-las mas, quase impossivel para mim. Vou tentar até conseguir.

Avatar for Miguel Lucas
Henrique

Olá eu tenho um problema que é sentir algo que me em comoda mas quando vou tentar intender eu ñ consigo é uma coisa meio que se sentir só acha que as pessoas não me quer por perto me sinto inseguro nas minhas ações quando tenho algum projeto já começo achar que não vai dar certo, também pratico esporte Rugby me sinto inseguro como já havia dito, sinto que as pessoas não se importam com meu desenvolvimento mas cobram bastante de mim é complicado por que as vezes ñ me sinto confortável eu penso em desistir mas não quero desistir kkk também me cobro muito quando tenho esses tipos de pensamentos acho que é só uma fase mas ta ficando cada dia mais recente vamos dizer assim quando durmo esqueço algumas coisas e não quero esquecer quero aprender a lidar com minha vida.

Avatar for Miguel Lucas
Salete

Parabéns maravilhoso texto, hoje eu precisava muito ler isso, foi Deus quem te colocou em minha vida Miguel Lucas te admiro sempre e mais a cada texto que leio, só tenho a agradecer, meu muito obrigada !

Avatar for Miguel Lucas
Neiva

Obrigado por compartilhar seus conhecimentos! Parabéns! foi de grande ajuda pra mim!

Avatar for Miguel Lucas
Teresa Benedetti

Eu gostaria ter um amigo como Miguel Lucas, para trocar algumas ideias. Mas quem não gostaria.Me resta só lhe agradecer. Deus continue te iluminando.Assim seja.Teresa.

Avatar for Miguel Lucas
Luiza de Marilac de Souza

Olá, meu querido instrutor de emoções variadas! Olhe, amei suas colocações,porque era tudo o que eu queria conhecer ,neste momento em que vivo um drama existencial! Muito obrigada e um grande abraço.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *