Atleta, usa o poder da mente para melhorar a tua performance - Miguel Lucas
Psicologia do Desporto 22/09/2016

Atleta, usa o poder da mente para melhorar a tua performance

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas

Tudo o que fazemos intencionalmente começa na mente, é direcionado e impulsionado por uma intenção ou desejo, só depois o corpo responde e corresponde ao estímulo enviado. No trabalho de preparação mental que faço com os atletas, tenho por hábito passar a seguinte mensagem: “O corpo está à escuta da mente.” Por isso, cuidado com o que pensas e dizes a ti mesmo! Escolhe bem a forma como te queres sentir e usa o discurso interno que possa fazer emergir o sentimento que desejas.

Treinas ou vais ao treino?

Se apenas vais ao treino com a postura de um fazedor, ou seja cumprir o plano de treino no que diz respeito a um número de repetições, volumes e intensidades, executar uma jogada ou praticar um determinado movimento, corres o risco de não estares a tirar o máximo rendimento desportivo possível.

A partir desta perspetiva, podes estar a treinar apenas o corpo, esperando que ele memorize algo ou ganhe mais capacidade, o que se torna redutor, pois a performance desportiva é um comportamento e não um mero produto fisiológico.

Se queres tirar o máximo de rendimento da tua dedicação, trabalho e esforço, deves fazê-lo a partir da tua mente (cérebro). Ou seja, deves treinar o que te é proposto pelo treinador numa perspetiva TOP-DOWN. A perspetiva TOP-DOWN incorpora o conceito do treino com intenção cognitiva (pensamento, crenças e motivação).

Por exemplo: Que informação estás a dar a ti mesmo para a execução de algo, o que acreditas ser capaz de realizar, e que significado dás a essa realização. De forma resumida: Intenção => Foco => Repetição => Feedback.

Retiras mais rendimento do treino quando o realizas a partir da tua mente. Quando sabes ou quando tens uma ideia aproximada do que queres sentir, realizar ou executar.

A reter: Só podes encontrar algo se sabes onde procurar.

Para quem quer melhorar e ter um melhor rendimento desportivo, treinar não basta, há que treinar intencionalmente (TOP-DOWN). Exemplo: Sempre que te é proposta uma tarefa física importa que consigas traduzir o que te é pedido para a tua própria linguagem, para que em seguida possas traduzir essa informação para a linguagem do corpo (as tuas sensações físicas). É sobre isso que podes “trabalhar” intencionalmente.

aumentar o poder da mente

Assume o controle da voz dentro da tua cabeça

A tua voz interna é a tua ferramenta de trabalho para otimizares a tua performance desportiva. No entanto, esta extraordinária ferramenta pode tornar-se muito instável, levando a que percas o controlo e prejudiques a tua performance.

Então o que pode ser feito para que assumas o controlo?

1- Tens de entender que tu não és os teus pensamentos, tu és quem tem a capacidade de pensar sobre aquilo que te passa na cabeça.

2- Importa perceberes que o corpo (mente e corpo) tendem a trabalhar em sintonia. Ou seja, se te começas a sentir desesperado e nervoso, naturalmente vais começar a ter pensamentos de desespero e de nervosismo.

3- Tu também não és o que sentes, tu és aquele que fica ciente da forma como se está a sentir. E nesse sentido, quando começas a sentir-te de uma forma que prejudica a tua performance, é nesse momento que tens de tomar o controlo da voz na tua cabeça, dizendo algo do género: “Calma, é normal estar a sentir-me frustrado pois estou a falhar muito. Mas tu sabes como executar bem, vamos lá foca-te no que sabes fazer.” (Aqui podes recordar como fazes, quando fazes bem).

4- Vigia os teus pensamentos, e quando tomares consciência que são negativos (cuidado pois isso faz com que o corpo se sinta da forma como pensas), nesse momento, podes revertê-los para positivos, elaborando um discurso interno (voz interna na cabeça) que promova aquilo que tu queres realizar. Treina a ti mesmo para construires e usares maioritariamente autoverbalizações positivas.

A reter: Não basta querer controlar a voz, é preciso perceber o processo de como isso funciona na prática.

Tu és o teu principal treinador

Será que não precisas de um treinador? Claro que tens de ter um treinador. Claro que tens de ter alguém com conhecimento e formação para te orientar na tua evolução e aprendizagem. O que quero transmitir quando digo que tu és o teu principal treinador, refiro-me a ti como Treinador Interno, ou seja a tua autoverbalização.

A autoverbalização é tudo o que tu dizes a ti mesmo, neste caso específico, o que dizes a ti mesmo depois do teu treinador dar as instruções do que tens de realizar. Basicamente pegas nas instruções do treinador e traduzes para a forma como comunicas contigo. A partir desse momento, és o Treinador Interno.

Deixo alguns exemplos:

  • Onde te focas;
  • Que sensações corporais dás relevância;
  • Como te incentivas;
  • Como recuperas dos erros e falhas;
  • A energia e intenção que colocas na tarefa;
  • O que te lembras que é importante para realizares com eficácia;
  • As notas mentais que fazes para usares das próximas vezes;

Os exemplos anteriores referem-se ao que tu dás ao treino, que ingredientes próprios tu acrescentas aos conteúdos do treino. Quanto mais e melhor envolvimento tiveres, quanto mais e melhor conhecimento fores adquirindo de ti mesmo na realização dos exercícios e tarefas, quanto mais e melhor consciência tiveres dos pormenores que te aumentam a eficácia, melhor estás a treinar, e consequentemente melhor atleta te estás a tornar.

Cria uma palavra âncora para aumentares o teu poder de foco

A capacidade de foco caracteriza-se pela capacidade de manter a atenção focada em algo durante o tempo necessário para a execução da tarefa. Para que esta capacidade e habilidade não seja comprometida, o atleta tem que ser capaz de bloquear as distrações. Sejam elas distrações externas, como por exemplo o público, um adversário, um mau ajuizamento. Sejam internas como por exemplo, as tuas emoções negativas ou pensamentos negativos.

Então para te ajudar a bloquear as distrações, mas também para recuperares rapidamente o teu foco, ou até mesmo para o potenciares, podes criar uma palavra âncora (ou palavras). Uma palavra âncora, é uma palavra que te relembra a importância de ficares focado em algo, podendo ainda agregar a ideia do que vais alcançar ao manteres o teu foco.

Exemplos:

  • Continua
  • Dureza
  • Vai com calma
  • Respira
  • Solta
  • Acredita
  • Persiste
  • Força
  • Vai com tudo
  • És capaz

Essa palavra, (ou palavras) âncora deve ser cuidadosamente escolhida por ti, tem mesmo de mexer contigo até ao ponto de quando a dizes (mesmo que seja silenciosamente) “arraste” de forma muito intensa a importância e o significado do alvo da tua atenção, para que realizes uma boa performance ou exercício.

Abraço,

Miguel Lucas

Novo usuário?
Comece aqui
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”

Receba os vídeos gratuitamente no seu email e aprenda como superar a depressão.

Comentários
Avatar for Miguel Lucas
Antonio Carlos Dias

Excelente matéria!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *