5 Exercícios para recuperar a sua paz de espírito
Saúde e Bem-Estar 22/09/2016

5 Exercícios para recuperar a sua paz de espírito

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas


Todos passamos por momentos difíceis na vida que nos fazem disparar emoções negativas e preocupações, colocando-nos em determinados estados psicológicos nada benéficos para a superação dos problemas que enfrentamos. Quando a frequência, intensidade e duração de determinadas ruminações e sensações desagradáveis sentidas no corpo atingem proporções elevadas, tendemos a perder o controlo sobre as nossas decisões, podendo afetar-nos o bem-estar e a qualidade de vida. Importa desenvolver um conjunto de habilidades e conhecimentos que permitam ter mais paz de espírito.

Exemplo de um possível estado de ser: 

Tenho pensamentos persistentes, como se fossem vozes na minha cabeça, arruínam o meu dia, colocam-me num estado ansioso e angustiante,
Quero ser claro nos meus pensamentos, acreditar naquilo a que me proponho, ser confiante e seguro de mim,
Mas o meu estado, os meus sentimentos atormentam-me a alma, inundam-me a mente, aniquilam-me o meu dia,
Eu não sou assim, não quero ser assim, que desconforto é sentir-me impotente sobre os meus estados de humor,
Quando estou neste estado de ser, tomado pelas minhas vozes críticas, de dúvida, de penalização de mim mesmo,
Quando não me consigo orientar, quando tudo o que sinto é uma enorme confusão,
Desespero, e espero que tudo possa ficar melhor num passe de mágica,
A minha esperança desespera-me,
Caminho atormentado, duvido de tudo, de todos e até mesmo de mim,
Sei que estou neste estado, não sou isto, lembro-me de saber conduzir a minha vida,
Faz tanto tempo que me senti bem, que jugo já nem saber o que isso é,
Mas que estado é este? Que incómodos são estes, que mais parecem ter ganho uma vida própria,
Terei tornado-me hospedeiro das minhas emoções, dos meus medos, das minhas frustrações?
Só sei que assisto amarguradamente às minhas lamentações acerca do estado em que me encontro,
Sinto-me a perder o controle de mim mesmo, como se reagisse a tudo de forma cortante em que o único prejudicado sou eu mesmo,
Estou num estado de ser que não quero ser,
Preciso de distanciar-me da escuridão em que me encontro,
Tenho de criar a minha luz, esclarecimento,
Tenho de perceber que não sou os estados perturbados em que me encontro,
Tenho de perceber que tenho de fazer coisas, que no seu retorno possam promover um estado de satisfação, um estado mais leve, mais alegre e colorido,
Tenho de aprender a saber quando esse estado incapacitante quer tomar conta de mim,
Tenho de perceber quando ele me ilude fazendo-se passar por mim, enganando-me a mim mesmo, fazendo agir como se eu fosse ele,
Não sou, não quero ser o estado em que me encontro, que silenciosamente foi-se incrustando na minha essência como se fosse uma sanguessuga,
Alimenta-se de mim, das minhas perdas, dos meus fracassos, dos meus erros, dos meus traumas, das minhas frustrações, das minhas culpas, dos meus desesperos, da minha baixa autoestima, da minha descrença,
O meu estado fica forte, toma conta das partes mais sombrias do meu ser, e expande-se, transforma o bom em mau, o ânimo em desmotivação, a paixão em tormento,
Tenho de conseguir perceber quando os meus estados negativos me iludem, me fazem julgar que estou condenado a viver neste estado “eterno” de desgraça,
Não, eu começo a ser capaz de distinguir entre aquilo que quero ser e aquilo que o meu estado está a fazer com que eu seja,
Não, não vou deixar que tome mais conta de mim,
Já percebi o engodo,
Quando ele chegar, se fizer sentir, vou aguentá-lo, deixar que se manifeste, mas vou permanecer imóvel, não vou agir,
Fico ali, a perceber a ilusão, a perceber que ele quer fazer-se passar por mim,
Não vou deixar,
Vou pegar na minha essência, no meu querer, no melhor que existe em mim, na minha força e agir de acordo com o que quero ser,
Vou construir o meu próprio estado de ser,
Vou ser aquilo que acredito querer ser.

– Miguel Lucas

Esta descrição de um determinado estado de ser, documenta a perda de controle emocional e a tentativa de retomar o controle através da consciência que se vai desenvolvendo acerca da possível capacidade de distanciar-se da dor emocional e passar a agir de acordo com aquilo que se quer alcançar. Certamente este processo de aprender a saber interpretar as emoções, saber distanciar-se delas, e analisá-las à luz da consciência, com claridade de pensamento, nem sempre é fácil de ser instituído. É necessário alguns esclarecimentos, é importante conhecer alguns conceitos e acima de tudo praticar a habilidade de distanciar-se das emoções negativas e dos pensamentos negativos e agir assertivamente.

meditar

Os cinco exercícios que se seguem irão ajudá-lo a desenvolver a habilidade de saber orientar os seus pensamentos, gerenciar as suas emoções e criar um estado de ser tranquilo e com clareza de pensamento:

Não rejeite os seus pensamentos negativos

“Não odeie o aparecimento de pensamentos negativos, nem se esforce para rejeitá-los. A não aceitação promove o sofrimento emocional e inibe o foco naquilo que mais importa. Somos mais que os nossos pensamentos, estamos para além do pensamento, de modo, que se percebermos este conceito, não importa o que surja na mente. Se você se distanciar e fizer o exercício de passar os seus pensamentos pela autoridade da consciência, permite-se aceder à sua inteligência mais elevada e não ficar perturbado.

A paz de espírito perde-se quando nos confundimos com os pensamentos perturbadores que tomam de assalto a mente, e ilusoriamente julgarmos ser reféns de um sequestrador que vive em nós. Traga a sua consciência para a linha da frente e fique com ela, torne-se nela e, as perturbações perdem o seu terreno fértil.

Aceder à sua consciência e autoconhecimento

Problemas, pensamentos negativos, sentimentos angustiantes, acontecimentos perturbadores, situações stressantes, podem conduzir-nos a um padrão de raciocínio pouco claro, fazendo a nossa mente construir cenários incapacitantes, miserabilistas e pessimistas. Neste estado conturbado a realidade é negativamente distorcida, afastamo-nos dos nossos recursos mentais e físicos, e em resultado sentimo-nos mal.

Tendemos a perder contato com a nossa sabedoria. Para melhor lidar com estes estados sempre que eles se manifestem, habitue-se a promover um estado pleno de recursos. Exercite um estado de ser onde reina a tranquilidade e clareza de pensamento. Onde consegue observar-se sem agir. Um estado onde consegue aceder à sua consciência e autoconhecimento.


Por momentos foque a sua atenção na sua respiração, fique com ela, torne-se nela. Observe a sua respiração, flua com ela, sinta o seu corpo a relaxar à medida que vai respirando. Mesmo se seja por momentos, este exercício permite-lhe distanciar-se dos seus apegos, dos seus desejos, das suas necessidades, usufruindo de um estado pleno de tranquilidade. A sua mente ficou calma e clara.

Torne este exercício num hábito. Habitue-se a promover esse estado. Com a prática esse estado passará a ser-lhe familiar. Use-o sempre que se sentir perturbado e a sua razão comece a abandoná-lo. Chame até si esse estado de de lucidez e tranquilidade sempre que sentir que está a perder o controle dos seus pensamentos. Permaneça nele o tempo suficiente para clarificar a sua mente e retomar um raciocínio pleno de recursos suportados pela sua consciência.

Oriente a sua força interior para onde ela mais precisa de estar

A sua força nunca o abandona, ela reside em cada célula do seu corpo. Você pode sentir-se fraco, sentir a vida a fugir-lhe, ausente de vontade, como se respirar já fosse um enorme esforço. Mas a sua força nunca o abandonou, provavelmente você é que se foi distanciando do seu centro, da sua essência. Você, eu, todos nascemos com impulso para a ação, interagimos com o mundo através dessa força, dessa energia inesgotável que nos permite sentirmo-nos felizes.

Talvez as experiências negativas de vida, as bolas à trave, os fracassos sucessivos, os planos furados, os esforços sem retorno, as perdas, as desilusões e decepções, o tenham afastado de si, da sua energia. Aquilo em que nos focamos expande-se. Volte para si, procure essa força que existe em si, mas da qual se esqueceu de visitar, de alimentar, de dar graças. A força não vem de lado nenhum, ela sempre esteve, sempre está, e sempre estará com você. Quebre a ilusão da perda da sua força.

Reserve uns momentos do seu dia para o exercício de entrar em contato com a sua força vital. Comece por focar-se na sua respiração, repare nela, deixe-se fluir com ela. Sinta o ar que entra e sai pelo seu nariz. Inspire e expire à medida que sente o fluxo da sua respiração. Sinta a força da sua respiração, sinta esse fluxo a atingir cada parte do seu corpo, cada célula. Cada respiração é processada pela sua força. Ela permanece consigo. Sinta a energia na sua respiração. Sinta a sua respiração a reenergizar o seu corpo.  medida que vai respirando, sinta a energia a aumentar. Agora fique com a sua força, sinta-a. Em seguida canalize-a para alguns dos seus objetivos. Oriente a sua força para onde ela mais precisa de estar.

Habitue-se a visitar o seu lugar seguro

Procure dentro de si o seu lugar de calmaria, de ponderação e sabedoria. Habitue-se a ficar alguns momentos nesse seu lugar interior, tomando contato com a sua inteligência mais profunda, permanecendo imperturbável. Como se você fosse o epicentro de um tornado, onde nada acontece enquanto tudo à volta está em alvoroço. Depois olhe ao seu redor, perceba que a destruição, o sofrimento, a perda, a fúria, a desesperança, os fracassos, são tudo consequências da vida. Agora retome o olhar para o seu lugar seguro, tudo permanece inalterável, nada se passou aí.

A capacidade de perceber que tem em você a possibilidade de se reenergizar, tranquilizar e aceder à sua paz de espírito, permite-lhe envolver-se no turbilhão da vida, mais preparado e pronto para agir em consciência sobre os acontecimentos mais perturbadores, sem se confundir com eles ou perder claridade de pensamento, que tantas vezes nos empurram para um abismo ilusório. Mesmo em situações difíceis e adversas, se conhecermos como chegar ao nosso lugar seguro, certamente tudo se torna mais suportável e menos devastador. Expanda esse lugar, habitue-se a visitá-lo e a estar com ele e nele.

Contemplar o momento sagrado do dia

Identifique o seu momento sagrado do dia. Ligue todos os seus sensores para a identificação do momento significativo, quando ele está a ocorrer. Esforce-se para ficar consciente do que sente, dos pensamentos que tem, do bem-estar provocado, memorize a grandeza do momento, fique com ele.

O que é sagrado na vida está muitas vezes bem na frente de nós, e só percebemos isso quando já terminou. Estamos “muito ocupados” nas nossas próprias cabeças para contemplá-lo. Tome um momento, respire e permitia-se a ficar por alguns segundos com o que é significativo. Isto não é para agarrar-se e querer estar sempre nesse momento ou estado de ser, porque ele irá passar, mas é para vivê-lo plenamente. Veja o que acontece quando você começa a tornar-se mais consciente dos momentos sagrados da sua vida. Permita que a sua experiência seja o seu maior bem.

Abraço,
Miguel Lucas

Novo usuário?
Comece aqui
Baixe Grátis o e-book “Seja Um Vencedor”
Baixe Grátis o e-book “Seja Um Vencedor”

Preencha os seus dados abaixo e receba esse e outros materiais por e-mail.

Comentários
Avatar for Miguel Lucas
marlucia

Espero por maisssssssss.

Avatar for Miguel Lucas
William Tavares

Quando o RESULTADO for bom, desfrute-o.
Quando o RESULTADO for ruim, transforme-o.
Quando o RESULTADO não puder ser transformado, transforme-se.

Parafraseando Viktor Frankl

Avatar for Miguel Lucas
Leif Ericsson

Gostei é oque eu estou sentindo…pois eu tentei explicar para a psiquiatra e acho que ela não entendeu.Mais agora ficou mais claro para conversar com ela,obrigado.

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Leif, obrigado pelo comentário.

Fico contente que este artigo tenha ajudado a esclarecê-lo e que isso possa contribuir para a sua melhoria.

Tudo de bom

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
William Tavares

Miguel parabéns por toda contribuição na edificação de um mundo melhor. Seu conhecimento é como um remédio para quem sofre e um suplemento para aqueles que querem ficar mais fortes.
Desejo-lhe vida longa!

Avatar for Miguel Lucas
Jussandra Souza

Maravilhoso!! Este texto é de uma riqueza sem explicação!! Com certeza ajudou e vai ajudar muitas pessoas,inclusive eu!! Obrigada e Parabéns!!

Avatar for Miguel Lucas
Naftal Massingue

Caro

Por mero acaso navegando na internet acabei no site da escolapsicogia e comprei o ebook ATAQUES DE PANICO . Espero que me possa ajudar a superar os problemas que tenho tido a algum tempo.

Cpts

Naftal Massingue

Avatar for Miguel Lucas
luiz

Oi

Me responde uma coisa e quando a situação se trata de uma casada que se envolver com uma mulher.
Nesse caso a conflito da sua propria mente como fica isso?

Avatar for Miguel Lucas
Ana Maria Leite Costa

Um bom artigo, para colocar-se em prática na fase inicial dos descontroles emocionais. Porém, para casos onde o problema já se enraizou, pelas dificuldades encontradas na vida familiar, desde tenra idade, causando assim feridas mais profundas, mas só detectadas já na fase adulta, talvez não surta o efeito desejado. O que fazer então para controlar ou amenizar este quadro de ansiedade e desequilíbrio emocional?

Avatar for Miguel Lucas
Margareth

Miguel Lucas, você é a pessoa mais admirável que eu conheço, e cada artigo que eu leio é um aprendizado que jamais teria sem você.

Um abraço

Margareth

Avatar for Miguel Lucas
Marcus Torres

Olá Miguel, excelente o teu artigo, ontem participei de sua palestra online e me sinto muito mais motivado e esperançoso para sair dessa situação. Parabéns por partilhar esse conhecimento que é fundamental para diversas pessoas em todo o mundo.

marcus

Avatar for Miguel Lucas
João

Revi-me claramente no exemplo de um possível estado de ser, escrito pelo Miguel. Ao ler aquilo, revi-me totalmente naquilo que ali estava escrito, e sinto me cansado mentalmente. Vou por os exercícios em pratica para encontrar a minha paz de espírito, para acabar com os fantasmas que atormentam o meu pensamento e libertar-me de todo o negativismo que tenta sempre deixar-me de rastos. Tenho esperanças que resultem estes exercícios, porque a maior prisão é a mente e eu não tenciono ser escravo" dela. Quero viver intensamente cada segundo da minha vida, em paz comigo próprio e longe de todo o negativismo.

Quero também felicitar o Miguel, por este magnifico site que acredito que vai ajudar mais que um.
Saudações e boa continuação.

Avatar for Miguel Lucas
Goncalo

Fantástico Miguel,

Melhor descrição será impossível. Tu o que foi transposto é aquilo que sinto.

O seu site é a unica coisa que me dá tranquilidade na vida, aprendo imenso sobre o "Eu" e a controlar os meus pensamentos.

Continue com o óptimo trabalho,
Obrigado por me fazer sentir bem quando me sinto em baixo,

Abraço,
Goncalo

Avatar for Miguel Lucas
flavio nunes

gostei do artigo.
preciso de mais…….

Avatar for Miguel Lucas
Marcio Vallini

MUITO BOM ESTE E TAMBEM TODOS OS OUTROS QUE JÁ LI.

Avatar for Miguel Lucas
salete

Gostei muito bom; é realmente o que estou sentindo vejo a minha vida desta maneira com varias problemas a enfrentar. quero mudar minha vida …..tem coisas que me impede como colocaste. tenho medo ouço vozes e muito pesimista e fico muito sensivel ao que acontece ao redor de mim. quero mudar um dia vou mudar.

Avatar for Miguel Lucas
cirley

muito bom , achei vc sem querer , pois hoje estou muito pior que os outros dias
hoje queria dormir e não acordar nunca mais

Avatar for Miguel Lucas
judelino ferreira da silva

perfeito adorei agora vou colocar em pratica

Avatar for Miguel Lucas
Beth Ribeiro

Obrigada Miguel, pelo menos consegui respirar melhor… foi bom exercitar… Tem horas que até respirar torna-se difícil mesmo… passou Obrigada!!!!

Avatar for Miguel Lucas
Paula Moreira

Oi Miguel!

Toda vez que tenho uma entrevista ou quando é o primeiro dia de trabalho, durmo extremamente mal ou não durmo. O que poderia fazer para melhorar isso?

Obrigada,

Paula

Avatar for Miguel Lucas
Maria NGUNGU

Muito bom, gostei. Apenas tenho lido as suas publicaçoes na pagina do facebook. A partir de hoje, começo a seguir tambem as publicaçoes nesta pagina. Abraço

Avatar for Miguel Lucas
Patrícia

Maravilhoso site de auto ajuda! Obrigada pelo conteúdo feito com tanto carinho e objetivado a ajudar! Parabéns..

Avatar for Miguel Lucas
antonio nunes

Gostei muitíssimo deste artigo, pois foi fundamental para mim. Realmente experimentei estes exercícios e pude perceber que funciona e nos ajuda a livrar-nos destas formiguinhas dos pensamentos negativos que surgem em nossa mente, muito obrigado um forte abraço Miguel Lucas.

Antonio Nunes

Avatar for Miguel Lucas
Ewerton Dario dos Santos

esse texto é igualmente bom aos outros. fala sobre como ter paz de espírito(coisa que a maioria das pessoas não tem)mas para ter a verdadeira paz só mediante Jesus, que é o único que pode proporcionar isso ao homem. Mas as técnicas de respiração juntamente com outras coisas escritas nesse texto podem ajudar).

Avatar for Miguel Lucas
Tânia Maria

Achei você sem querer e difícil vai ser deixá-lo. Seus textos são muito bons. Neles há sabedoria, profundidade nos assuntos abordados. É muito bom lê-lo antes de desligar o PC. Um grande abraço e o meu carinho e admiração.

Avatar for Miguel Lucas
Eduardo

Ando passando por um momento confuso em minha vida, até o momento estava ignorando muitos pensamentos e sentimentos. Mas no fundo do meu ser sei que estou sofrendo e passando por uma momento difícil. Estou lendo seu blog para melhorar meu estado de espírito e não desistir da luta. me senti muito melhor depois de ter escutado a criança dentro de mim. Vc que escreve é um exelente homem que contribui com nós.

Avatar for Miguel Lucas
M

Aqui e em alguns sites similares, observo que as pessoas comentam e assumem suas dores, frustrações,etc, me conforto pq não apenas eu me sinto num, corpo, numa mente, que as vezes desconheço, que rejeito, que desprezo e tenho alguma consciência do real valor, principalmente, pela voz do outro, que as vezes amo tb. Mas no dia a dia na convivência familiar, no trabalho, com "amigos" não é assim, a dor é um fardo de quem a possui e vc passa a ser enfadonho ao outro, seja por msgs subliminares, te dizem "chega de achismos".Daí a gente tenta disfarçar, ser como todo mundo, modelo feliz, bem sucedido "o padrão aceito socialmente", mas a gente se perde e não consegue se enganar, daí o que vc deseja é distância dos outros, de sua convivência padronizada, dos modelos felizes e perfeitos que se expõem aos milhares nas redes sociais e claro se falar o que sente de verdade vc magoa, vc é grosseira(o), por quê devo seguir com a manada é o que desejo? Então resta sentir-se um fracasso, sem rumo, muitas vezes sendo útil para uma causa, uma necessidade , assim a gente esquece a própria dor, mas esquece também, da sua alegria, do seu, sorriso bonito, que sonhos eu tinha? .., parece que n~tem valor algum. O fato é saber quem sou, preciso me conhecer, preciso continuar, mas é sofrível….como cheguei aqui? Só quero a paz para compreender que sou assim, como na natureza, td desperta e dorme, com seu processo lento de vida e morte, sem questionar. Enfim, daqui a pouco espero n~ sofrer por este desabafo… Obrigada por seu texto e pelo espaço, boa noite. Boa sorte a todos!

Avatar for Miguel Lucas
Karol Navarro

Belíssimo texto!

Avatar for Miguel Lucas
Keisy Dias

Este texto me ajudou muito a enfrentar meus momentos ruins, no exemplo de um estado de espírito pude me identificar. A respiração realmente está me ajudando a focar na minha felicidade e não deixar as frustrações me atingirem mais. Estou mais consciente de mim mesma, vou encarar esta fase com uma nova perspectiva, sem me entregar aos pensamentos ruins. Obrigada pela ajuda!

Avatar for Miguel Lucas
GILBERTO

Aconselho a leitura do LIVRO DE URÂNTIA.

Avatar for Miguel Lucas
GILBERTO

Documento 2
A Natureza de Deus

(33.1) 2:0.1 CONSIDERANDO que o conceito mais elevado possível que o homem pode fazer de Deus está abrangido na idéia e no ideal humano de uma personalidade primordial e infinita, torna-se admissível e mesmo útil, estudar certas características da natureza divina que constituem o caráter da Deidade. O melhor modo de compreender a natureza de Deus é pela revelação do Pai, tal como desenvolvida por Michael de Nébadon nos seus múltiplos ensinamentos e na magnífica qualidade da sua vida mortal na carne. O homem pode compreender melhor ainda a natureza divina, também, se ele considerar a si próprio como um filho de Deus e admirar o Criador do Paraíso como um verdadeiro Pai Espiritual.

(33.2) 2:0.2 A natureza de Deus pode ser estudada por meio de uma revelação de idéias supremas; o caráter divino pode ser considerado uma representação de ideais supernos; no entanto, a revelação mais esclarecedora e espiritualmente edificante da natureza divina é encontrada na compreensão da vida religiosa de Jesus de Nazaré, tanto antes quanto depois de haver atingido a plena consciência da sua divindade. Se tomarmos a vida encarnada de Michael como a própria base da revelação de Deus ao homem, podemos tentar expressar por meio de símbolos verbais humanos certas idéias e ideais a respeito da natureza divina, os quais irão contribuir certamente para uma futura iluminação e unificação do conceito humano da natureza e do caráter da personalidade do Pai Universal.

(33.3) 2:0.3 Todos os nossos esforços para ampliar e espiritualizar o conceito que os humanos têm de Deus se deparam com o imenso obstáculo da capacidade limitada da mente mortal. No cumprimento do nosso desígnio, da mesma forma, as limitações de linguagem e a pobreza do material que pode ser utilizado, no propósito de ilustrar ou de comparar, também prejudicam seriamente os nossos esforços de retratar os valores divinos e apresentar os significados espirituais à mente finita e mortal do homem. Os nossos esforços para ampliar o conceito humano de Deus seriam quase todos improfícuos, não fosse o fato de a mente mortal ser residida pelo Ajustador outorgado pelo Pai Universal e de estar impregnada pelo Espírito da Verdade, do Filho Criador. Dependendo, portanto, da presença desses espíritos divinos, dentro do coração do homem, para que o assistam na ampliação do conceito de Deus, eu empreendo, com alegria, a execução do meu mandado, que é tentar fazer uma descrição mais ampla da natureza de Deus para a mente do homem.

1. A Infinitude de Deus

(33.4) 2:1.1 “Ainda que no limiar do infinito, não podemos encontrá-Lo. Os passos divinos não são conhecidos.” “A Sua compreensão é infinita e a Sua grandeza é insondável.” A luz ofuscante da presença do Pai é tamanha, para as Suas criaturas mais baixas, que Ele aparentemente “habita na escuridão espessa”. Não apenas os Seus pensamentos e planos são inescrutáveis, mas “Ele faz um sem número de coisas grandes e maravilhosas.” “Deus é grande; não O compreendemos; nem pode o número dos Seus anos ser contado.” “Deus habitará de fato a Terra? Observai, o céu (o universo) e o céu dos céus (o universo dos universos) não podem contê-Lo.” “Quão insondáveis são os Seus julgamentos e quão indecifráveis os seus caminhos!”

(34.1) 2:1.2 “Não há senão um Deus, o Pai Infinito, que também é o Criador fiel.”“O Criador Divino é também o Ordenador Universal, é a fonte e o destino das almas. Ele é a Alma Suprema, a Mente Primordial e o Espírito Ilimitado de toda criação.”“O grande Controlador não comete erros. Ele é resplandecente em majestade e glória.” “O Deus Criador é totalmente desprovido de medo e de inimizade. Ele é imortal, eterno, auto-existente, divino e magnânimo.” “Quão puro e belo, quão profundo e insondável é o superno Ancestral de todas as coisas!” “O Infinito é ainda mais excelente, pois reparte a Si próprio com os homens. Ele é o começo e o fim, o Pai de todo propósito bom e perfeito.” “Com Deus todas as coisas são possíveis; o Criador eterno é a Causa das causas.”

(34.2) 2:1.3 Não obstante a infinitude das manifestações estupendas, da personalidade eterna e universal do Pai, Ele é irrestritamente consciente tanto da Sua eternidade quanto da Sua infinitude; do mesmo modo, Ele conhece totalmente a Própria perfeição e poder. Ele é o único ser no universo, além dos Seus coordenados divinos, a experimentar uma avaliação apropriada, perfeita e completa de Si próprio.

(34.3) 2:1.4 O Pai satisfaz, constante e infalivelmente, às diferentes necessidades de demanda de Si próprio, à medida que essa necessidade vai se alterando, de tempos em tempos, nas várias partes do Seu universo-mestre. O grande Deus conhece e entende a Si próprio; Ele é infinitamente consciente de todos os Seus atributos primordiais de perfeição. Deus não é um acidente cósmico; nem é um experimentador do universo. Os Soberanos do Universo podem empreender aventuras, os Pais da Constelação podem fazer experimentos; os líderes dos sistemas podem exercitar-se; mas o Pai Universal pode ver o fim, a partir do princípio; e o Seu plano divino e propósito eterno, de fato, abrangem e compreendem todos os experimentos e todas as aventuras, de todos os Seus subordinados, em cada mundo, sistema e constelação de todos os universos dos Seus imensos domínios.

(34.4) 2:1.5 Nada é novo para Deus e nenhum evento cósmico jamais surge como uma surpresa; Ele habita o círculo da eternidade. Os Seus dias não têm princípio nem fim. Para Deus não há passado, presente ou futuro; todo tempo é presente, em qualquer instante. É Ele o grande e único EU SOU.

(34.5) 2:1.6 O Pai Universal é infinito, absolutamente e sem quaisquer reservas, em todos os Seus atributos; e esse fato, em si e por si mesmo, isola-O, automaticamente, de toda comunicação pessoal direta com os seres materiais finitos e outras inteligências inferiores criadas.

(34.6) 2:1.7 E sendo assim, pois, tudo isso necessita de arranjos tais para os Seus contatos e a comunicação com as Suas múltiplas criaturas; e por isso ficou estabelecido, em primeiro lugar, o papel das personalidades dos Filhos de Deus no Paraíso, as quais, ainda que perfeitas em divindade, também participam, muitas vezes, da própria natureza do sangue e da carne das raças planetárias, tornando-se um de vós e um convosco; e desse modo Deus se faz homem, como ocorreu na outorga de Michael, que foi chamado intermitentemente de Filho de Deus e Filho do Homem. Em segundo lugar está a existência das personalidades do Espírito Infinito, as várias ordens de hostes seráficas e de outras inteligências celestes, que se aproximam dos seres materiais de origem inferior para ministrar-lhes ensinamentos e servir a eles, de tantas maneiras. E, em terceiro lugar, contamos com a existência dos Monitores Misteriosos impessoais, os Ajustadores do Pensamento, autênticas dádivas do grande Deus, Ele próprio, enviadas sem anunciação nem explicação, para residir em seres como os humanos de Urântia. Em profusão sem fim, eles descem das alturas da glória para conferir graças e residir nas mentes humildes daqueles mortais que apresentam capacidade de conhecer a Deus ou que têm potencialidade para realizar isso.

(35.1) 2:1.8 Dessas maneiras e de muitas outras, desconhecidas para vós e muito além da vossa compreensão finita, o Pai do Paraíso, voluntária e amorosamente condescende e, de várias formas, modifica, dilui e atenua a Sua infinitude, de modo a poder chegar mais perto das mentes finitas das Suas criaturas, os Seus filhos. E assim, por meio de uma série de distribuições de personalidade, em um grau cada vez menos absoluto, o Pai infinito capacita-Se para desfrutar de um contato estreito com as diversas inteligências dos muitos reinos do Seu vasto universo.

(35.2) 2:1.9 Tudo isso Ele fez, faz agora e continuará a fazer para sempre, sem a mínima redução, de fato e de realidade, na Sua infinitude, eternidade e primazia. E essas coisas são absolutamente verdadeiras, não obstante a dificuldade de compreendê-las; e apesar do mistério em que estão envolvidas, e ainda, apesar da impossibilidade de serem inteiramente compreendidas pelas criaturas, como as que residem em Urântia.

(35.3) 2:1.10 Posto que o Primeiro Pai é infinito, nos Seus planos, e eterno, nos Seus propósitos torna-se inerentemente impossível para qualquer ser finito, alcançar ou compreender algum dia esses planos e propósitos divinos na sua plenitude. Apenas de quando em quando, o homem mortal pode vislumbrar os propósitos do Pai, da forma como são revelados, aqui e acolá, em relação ao desenvolvimento do plano de ascensão da criatura, em níveis sucessivos na sua progressão no universo. Embora o homem não possa compreender, na sua totalidade, o que significa a infinitude, o Pai infinito por certo compreende plenamente, e abraça amorosamente a natureza finita de todos os Seus filhos, em todos os universos.

(35.4) 2:1.11 A divindade e a eternidade, o Pai as compartilha com um grande número de seres superiores do Paraíso; questionamos, todavia, se a infinitude e a conseqüente primazia universal seriam plenamente compartilhadas com qualquer deles além dos Seus coligados coordenados dentro da Trindade do Paraíso. A infinitude da personalidade deve, forçosamente, abranger toda a finitude da personalidade; e daí provém a verdade — a verdade literal — do ensinamento que afirma “Nele vivemos e movemos-nos e temos o nosso ser”. E o fragmento de pura Deidade, do Pai Universal, que reside no homem mortal, é uma parte da infinitude da Primeira Grande Fonte e Centro, o Pai dos Pais.

2. A Perfeição Eterna do Pai

(35.5) 2:2.1 Mesmo os vossos antigos profetas compreenderam a natureza circular eterna, sem princípio nem fim, do Pai Universal. Verdadeira e eternamente, Deus está presente no Seu universo dos universos. Ele habita o momento presente, com toda a Sua majestade absoluta e eterna grandeza. “O Pai tem vida em Si próprio, e essa vida é a vida eterna.” Através das idades eternas, tem sido o Pai que “a todos dá a vida”. Há perfeição infinita na integridade divina. “Eu sou o Senhor; Eu não mudo.” O nosso conhecimento do universo dos universos desvela que Ele não é apenas o Pai das luzes, mas também que na Sua condução dos assuntos interplanetários “não há variabilidade, sequer uma sombra de mudança”. “Do princípio, Ele prediz o fim”. Ele diz: “O Meu conselho perdurará; Eu farei tudo o que Me aprouver”, “de acordo com o propósito eterno que Me propus no Meu Filho”. Assim são os planos e os propósitos da Primeira Fonte e Centro, como é Ela própria: eterna, perfeita e, para sempre, imutável.

(35.6) 2:2.2 Nos mandados do Pai há a integridade final e a perfeição da plenitude. “Tudo o que Deus faz, será para sempre; nada pode ser acrescentado e nada pode ser retirado.” O Pai Universal não Se arrepende dos Seus propósitos originais de sabedoria e de perfeição. Os Seus planos são firmes, o Seu parecer imutável, enquanto os Seus atos são divinos e infalíveis. “Mil anos diante dos Seus olhos são apenas como o passar do dia de ontem ou como a vigília de uma noite.” A perfeição da divindade e a magnitude da eternidade estão, para sempre, além de uma apreensão completa da mente limitada do homem mortal.

(36.1) 2:2.3 As reações de um Deus imutável, no cumprimento do Seu propósito eterno, podem parecer variar de acordo com a atitude mutável e as mentes cambiantes das suas inteligências criadas, quer dizer, elas podem variar, aparente e superficialmente; sob a superfície e no fundo de todas as manifestações aparentes, contudo, permanece ainda presente o propósito imutável, o plano perpétuo do Deus eterno.

(36.2) 2:2.4 Nos universos afora, a perfeição deve necessariamente ser um termo relativo, mas, no universo central e, especialmente no Paraíso, a perfeição não é diluída; em certos domínios até mesmo é absoluta. As manifestações da Trindade fazem variar a exibição da perfeição divina, mas não a atenuam.

(36.3) 2:2.5 A perfeição primordial de Deus não consiste em uma retidão presumida, mas sim na perfeição inerente à bondade da Sua natureza divina. Ele é final, completo e perfeito. Nada há que falte à beleza e à perfeição do Seu caráter reto. E todo esquema de existências vivas, nos mundos do espaço, é centrado no propósito divino de elevação das criaturas de vontade, até o alto destino da experiência de compartilhar da perfeição do Pai no Paraíso. Deus não é autocentrado nem autocontido; Ele nunca cessa de conferir-Se a todas as criaturas conscientes do vastíssimo universo dos universos.

(36.4) 2:2.6 Deus é eterna e infinitamente perfeito, Ele não pode conhecer a imperfeição como uma experiência Sua, propriamente, no entanto, Ele compartilha da consciência de toda a experiência de imperfeição, de todas as criaturas em luta, em todos universos evolucionários, dos Filhos Criadores do Paraíso. O toque pessoal e libertador do Deus da perfeição paira sobre os corações e, no Seu circuito, abrange as naturezas de todas as criaturas mortais que ascenderam no universo até o nível do discernimento moral. Desse modo, tanto quanto por meio dos contatos da divina presença, o Pai Universal participa efetivamente da experiência com a imaturidade e com a imperfeição, na carreira evolutiva de todos os seres mortais no universo inteiro.

(36.5) 2:2.7 As limitações humanas e o mal em potencial não fazem parte da natureza divina, mas a experiência mortal e todas as relações do homem com o mal, certamente, são uma parte da auto-realização sempre expansiva de Deus, nos filhos do tempo — criaturas de responsabilidade moral que têm sido criadas ou que evoluíram por intermédio de todos os Filhos Criadores que vêm do Paraíso.

3. A Justiça e a Retidão

(36.6) 2:3.1 Deus é reto, portanto, é justo. “O Senhor é reto, em todos os Seus caminhos.” “‘De tudo o que fiz, nada foi sem uma causa’, diz o Senhor”. “Os juízos do Senhor são totalmente verdadeiros e corretos.” A justiça do Pai Universal não pode ser influenciada por atos nem realizações das Suas criaturas, “pois não há iniqüidade no Senhor, nosso Deus; não há favorecimento de pessoas, nem aceitação de oferendas”.

(36.7) 2:3.2 Quão fútil é fazer apelos pueris a este Deus, para que modifique os Seus decretos imutáveis, de modo a evitar as justas conseqüências da ação das Suas leis naturais e mandados espirituais retos! “Não vos enganeis; não se pode zombar de Deus; pois, do que semeardes, daquilo também colhereis.” Mas é verdade que, mesmo na justiça que vem da colheita plantada pelo erro, a justiça divina ainda tem a misericórdia a temperá-la. A sabedoria infinita é o árbitro eterno que determina as proporções da justiça e da misericórdia, a serem dispensadas em qualquer circunstância. A maior punição (na realidade, uma conseqüência inevitável) para o erro e a rebelião deliberados, contra o governo de Deus, é a perda da existência, como súdito individual do Seu governo. O resultado final do pecado pleno e deliberado é o aniquilamento. Em última análise, os indivíduos identificados com o pecado já destruíram a si próprios, ao tornarem-se inteiramente irreais por meio da adoção da iniqüidade. O desaparecimento factual de uma tal criatura, no entanto, é sempre retardado, até que a ordem comandada pela justiça corrente, naquele universo, haja sido inteiramente cumprida.

(37.1) 2:3.3 A cessação da existência geralmente é decretada no juízo dispensacional, ou no juízo epocal do reino ou dos reinos. Num mundo como o de Urântia, ela chega ao fim de uma dispensação planetária. A cessação da existência pode ser decretada, em tais épocas, pela ação coordenada de todos os tribunais da jurisdição, que vão desde o conselho planetário, passando pelas cortes dos Filhos Criadores, até os tribunais de julgamento dos Anciães dos Dias. O mandado de dissolução tem origem nas cortes mais altas do superuniverso, seguindo uma confirmação ininterrupta da sentença original, na esfera de residência do ser que adotou o mal; e então, quando a sentença de extinção houver sido confirmada do alto, a execução é feita por um ato direto dos juízes que residem e atuam nos centros do governo do superuniverso.

(37.2) 2:3.4 Quando uma sentença como essa é finalmente confirmada, é como se, instantaneamente, o ser, identificado com o pecado, não tivesse existido. Não há ressurreição desse destino; ele é perdurável e eterno. Os fatores da identidade da energia vivente são resolvidos nas transformações no tempo e pela metamorfose no espaço, nos potenciais cósmicos, dos quais emergiram certa vez. Quanto à personalidade do ser iníquo, é ela despojada do seu veículo de continuidade vital, em vista do fracasso de tal criatura ao efetivar as escolhas e as decisões finais que lhe teriam assegurado a vida eterna. Quando o abraçar contínuo do pecado, pela mente, culmina em completa identificação com a iniqüidade, então, ao cessar da vida, pela dissolução cósmica, essa personalidade isolada é absorvida na supra-alma da criação, tornando-se uma parte da experiência de evolução do Ser Supremo. Nunca mais aparece como uma personalidade. A sua identidade é transformada, como se nunca tivesse existido. No caso de uma personalidade residida por um Ajustador, os valores espirituais experimentados sobrevivem na realidade da continuidade do Ajustador.

(37.3) 2:3.5 Em qualquer contenda no universo, entre níveis factuais da realidade, a personalidade de nível mais elevado terminará por triunfar sobre a personalidade de nível inferior. Essa conseqüência inevitável, de uma controvérsia no universo, é inerente ao fato de que a divindade da qualidade é igual ao grau de realidade, ou de factualidade, de qualquer criatura de vontade própria. O mal não diluído, o erro completo, o pecado voluntário e a iniqüidade não mitigada são, inerente e automaticamente, suicidas. Tais atitudes de irrealidade cósmica podem sobreviver no universo apenas em razão da tolerância misericordiosa transitória que depende e aguarda a ação determinante nos mecanismos da justiça e da equanimidade da parte dos tribunais que buscam encontrar o juízo da retidão no universo.

(37.4) 2:3.6 O papel dos Filhos Criadores, nos universos locais, é o da criação e da espiritualização. Esses Filhos devotam-se à execução efetiva do plano do Paraíso, de ascensão mortal progressiva, de reabilitação dos rebeldes e dos pensadores em erro, mas, quando todos os seus esforços, repletos de amor, forem finalmente e para sempre rejeitados, o decreto final de dissolução é executado pelas forças que agem sob a jurisdição dos Anciães dos Dias.

4. A Misericórdia Divina

(38.1) 2:4.1 A misericórdia é simplesmente a justiça temperada por aquela sabedoria que surge da perfeição do conhecimento e que advém do reconhecimento pleno da fraqueza natural e das limitações ambientais, das criaturas finitas. “O nosso Deus é cheio de compaixão, de graça, de paciência e abundante em misericórdia”. Portanto “todo aquele que invocar o Senhor será salvo”, “pois Ele perdoará abundantemente”. “A misericórdia do Senhor vai de eternidade a eternidade”, sim, “a Sua misericórdia perdura para sempre”. “Eu sou o Senhor que faz prevalecer a benevolência amorosa, o juízo e a retidão na Terra, pois com essas coisas Me deleito”. “Eu não aflijo voluntariamente, nem encho de pesar, aos filhos dos homens”, pois Eu sou “o Pai da misericórdia e o Deus de toda consolação”.

(38.2) 2:4.2 Deus é inerentemente bom, naturalmente compassivo e eternamente misericordioso. E jamais é necessário que se exerça qualquer influência sobre o Pai para suscitar o Seu amor e benevolência. A necessidade da criatura é totalmente suficiente para assegurar a fluência total da misericórdia terna do Pai e Sua graça salvadora. E porque Deus sabe de tudo sobre os Seus filhos, torna-se fácil para Ele perdoar. Quanto melhor o homem entender o seu vizinho, mais fácil será perdoá-lo e, mesmo, amá-lo.

(38.3) 2:4.3 Somente o discernimento da sabedoria infinita capacita um Deus reto a ministrar a justiça e a misericórdia, ao mesmo tempo e em qualquer situação no universo. O Pai celeste nunca Se conturba com atitudes conflitantes, em relação aos Seus filhos do universo; Deus nunca é vítima de antagonismos de atitudes. A onisciência de Deus dirige infalivelmente o Seu livre-arbítrio, na escolha daquela conduta no universo que satisfaz, perfeita, simultânea e igualmente, às demandas de todos os Seus atributos divinos e qualidades infinitas da Sua natureza eterna.

(38.4) 2:4.4 A misericórdia é fruto natural e inevitável da bondade e do amor. A boa natureza de um Pai amantíssimo não poderia, certamente, recusar o ministério sábio da misericórdia, a cada membro de todos os grupos dos Seus filhos no universo. A eqüidade da justiça eterna e a misericórdia divina constituem, juntas, aquilo a que a experiência humana chama de justiça.

(38.5) 2:4.5 A misericórdia divina representa uma técnica equânime de ajustamento entre os níveis de perfeição e imperfeição do universo. A misericórdia é a justiça da Supremacia, adaptada às situações do finito em evolução; é a retidão da eternidade, modificada para satisfazer aos mais altos interesses e ao bem-estar dos filhos do tempo no universo. A misericórdia não é uma contravenção da justiça, é antes uma interpretação compreensiva das demandas da justiça suprema, aplicada com equanimidade aos seres espirituais subordinados e às criaturas materiais dos universos em evolução. A misericórdia é a justiça da Trindade do Paraíso, sábia e amorosamente enviada às inteligências múltiplas, das criações do tempo e do espaço, tal como foi formulada pela sabedoria divina e determinada pela mente onisciente e pela vontade soberana do Pai Universal, e de todos os Seus Criadores coligados.

5. O Amor de Deus

(38.6) 2:5.1 “Deus é amor” e, conseqüentemente, a Sua única atitude pessoal para com os assuntos do universo é sempre uma reação de afeto divino. O Pai ama-nos o suficiente para outorgar-nos a Sua vida. “Ele faz o Seu sol se levantar para os maus e para os bons, e Ele envia a chuva aos justos e aos injustos”.

(39.1) 2:5.2 É errado pensar que Deus possa ser persuadido a amar os Seus filhos, por meio de sacrifícios feitos pelos Seus Filhos, ou pela intercessão das Suas criaturas subordinadas, “pois o Pai, Ele próprio, vos ama”. É em resposta a essa afeição paternal que o Pai envia os maravilhosos Ajustadores para residir nas mentes dos homens. O amor de Deus é universal; “todos aqueles que quiserem podem vir”. Ele gostaria “que todos os homens se salvassem pelo conhecimento da verdade”. “Ele não deseja que nenhum homem pereça.”

(39.2) 2:5.3 Os Criadores são os primeiros a tentar salvar o homem dos resultados desastrosos das suas tolas transgressões às leis divinas. O amor de Deus é, por natureza, uma afeição paterna; em conseqüência, algumas vezes, Ele “nos disciplina, para o nosso próprio bem, para que possamos ser partícipes da Sua santidade”. Mesmo durante as mais duras dentre as vossas provações lembrai-vos de que “em todas as nossas aflições, Ele aflige-se conosco”.

(39.3) 2:5.4 Deus é divinamente bondoso com os pecadores. Quando os rebeldes retornam à retidão, eles são recebidos com misericórdia, “pois o nosso Deus perdoará abundantemente”. “Eu sou Aquele que apaga as vossas transgressões, para o Meu próprio bem, e Eu não me lembrarei dos vossos pecados.” “Atentai para a forma de amor que o Pai nos dedica, a nós, para que fôssemos chamados de filhos de Deus.”

(39.4) 2:5.5 Afinal, a maior evidência da bondade de Deus e a suprema razão para amá-Lo é a dádiva do Pai, que reside em cada um de vós — o Ajustador, que tão pacientemente aguarda a hora em que ireis, ambos, transformar-vos em um, eternamente. Embora não possais encontrar Deus procurando-O, se vos submeterdes ao guiamento do espírito residente, sereis guiados, passo a passo e vida por vida, sem erros, de universo em universo, de idade em idade, até que estejais finalmente em presença da personalidade do Pai Universal no Paraíso.

(39.5) 2:5.6 Quão pouco razoável é que não adoreis a Deus, porque as limitações da natureza humana e os impedimentos da vossa constituição material fazem com que, para vós, seja impossível vê-Lo. Entre vós e Deus há uma distância imensa (de espaço físico) a ser percorrida. Da mesma forma, existe um grande abismo de diferenças espirituais a ser atravessado; mas, apesar de tudo o que vos separa, física e espiritualmente, da presença pessoal de Deus no Paraíso, parai e ponderai sobre o fato solene de que Deus vive dentro de vós, e de que, a Seu modo, Ele já venceu a separação. Ele enviou a Si próprio, o Seu espírito, para viver dentro de vós e para lutar arduamente, do vosso lado, na busca dos objetivos da vossa carreira eterna.

(39.6) 2:5.7 Eu acho fácil e agradável adorar a alguém que é tão grande e, ao mesmo tempo, tão afeiçoadamente devotado ao ministério sagrado da elevação das Suas criaturas humildes. Naturalmente eu amo a quem é tão poderoso, para com a criação e o seu controle, e que, além do mais, é tão perfeito na bondade e tão fiel e gentil no Seu amor, que constantemente nos abriga na sua sombra. Eu penso que amaria a Deus da mesma forma, não fosse Ele nem tão grande nem poderoso, desde que fosse tão bom e misericordioso. Todos nós amamos ao Pai, mais por causa da Sua natureza do que pelo reconhecimento dos Seus atributos assombrosos.

(39.7) 2:5.8 Quando eu observo os Filhos Criadores e os seus administradores subordinados lutando tão valentemente com as múltiplas dificuldades do tempo, inerentes à evolução dos universos do espaço, descubro que tenho uma grande e profunda afeição por esses dirigentes menores dos universos. Afinal, penso que todos nós, incluindo os mortais dos reinos, amamos o Pai Universal e todos os outros seres, divinos ou humanos, porque discernimos que essas personalidades nos amam verdadeiramente. A experiência de amar, em muito, é uma resposta direta à experiência de ser amado. Por saber que Deus me ama, eu deveria continuar a amá-Lo supremamente, ainda que Ele fosse despojado de todos os Seus atributos de supremacia, ultimidade e absolutez.

(40.1) 2:5.9 O amor do Pai acompanha-nos, agora e em todo o círculo interminável das idades eternas. Ao ponderardes sobre a natureza amorosa de Deus, apenas uma reação razoável e natural surge na personalidade: amareis cada vez mais o vosso Criador; ireis dedicar a Deus uma afeição análoga àquela dedicada por uma criança a um pai terreno; pois, como um pai, um pai real e verdadeiro ama aos seus filhos, do mesmo modo o Pai Universal ama e para sempre busca o bem-estar dos Seus filhos e filhas criadas.

(40.2) 2:5.10 Mas o amor de Deus é uma afeição paterna inteligente e que sabe prever. O amor divino funciona em associação unificada com a sabedoria divina e todas as outras características infinitas da natureza perfeita do Pai Universal. Deus é amor, mas o amor não é Deus. A maior manifestação do amor divino pelos seres mortais é constatada por meio da dádiva dos Ajustadores do Pensamento, mas a vossa maior revelação do amor do Pai vem da vida de doação do Seu Filho Michael, que viveu auto-outorgado na Terra a vida espiritual ideal. É o Ajustador residente que individualiza o amor de Deus em cada alma humana.

(40.3) 2:5.11 Algumas vezes, chego quase a ficar atormentado ao ser compelido a descrever a afeição divina do Pai celeste pelos Seus filhos do universo, empregando um símbolo verbal humano: amor. Esse termo, ainda que tenha a conotação do mais alto conceito humano das relações mortais de respeito e devoção, com tamanha freqüência, é designativo de relações humanas tão totalmente ignóbeis, que não são merecedoras de serem conhecidas por qualquer palavra que seja também usada para indicar a afeição, sem par, do Deus vivo, pelas criaturas do Seu universo! É uma infelicidade eu não poder fazer uso de algum termo superno e exclusivo que transmita à mente do homem a verdadeira natureza, e a delicada beleza do significado da afeição divina, do Pai do Paraíso.

(40.4) 2:5.12 Quando o homem perde de vista o amor de um Deus pessoal, o Reino de Deus passa a ser meramente o reino do bem. Não obstante a unidade infinita da natureza divina, o amor é a característica dominante de todas as relações pessoais de Deus com as Suas criaturas.

6. A Bondade de Deus

(40.5) 2:6.1 No universo físico podemos ver a beleza divina, no mundo intelectual é-nos possível discernir a verdade eterna, mas a bondade de Deus é encontrada somente no mundo espiritual da experiência religiosa pessoal. Na sua verdadeira essência, a religião é a fé feita de confiança na bondade de Deus. Para a Filosofia, Deus poderia ser grande e absoluto e, de algum modo, até inteligente e pessoal; mas, para a Religião, é necessário também que Deus seja moral; Ele deve ser bom. O homem poderia temer a um Deus grande, mas ama e confia apenas em um Deus de bondade. Essa bondade é parte da personalidade de Deus, e a Sua plena revelação surge apenas na experiência religiosa pessoal dos filhos que crêem em Deus.

(40.6) 2:6.2 A religião requer que o supramundo da natureza do espírito seja conhecedor das necessidades fundamentais do mundo humano e que seja sensível a elas. A religião evolucionária pode tornar-se ética, mas apenas a religião revelada é moral e espiritual de um modo verdadeiro. O conceito antigo de que Deus é uma Deidade dominada por uma moralidade majestática foi elevado por Jesus até aquele nível afetuoso e tocante da moralidade familiar íntima, própria da relação pai-filho. E, na experiência mortal, não há nenhuma relação mais terna e bela.

(41.1) 2:6.3 A “riqueza da bondade de Deus leva o homem que errou ao arrependimento”. “Toda a boa dádiva e toda a dádiva perfeita vêm do Pai das luzes.” “Deus é bom; Ele é o refúgio eterno das almas dos homens.” “O Senhor Deus é misericordioso e pleno de graças. Ele é paciente e abundante, em bondade e em verdade.” “Provai e vede como o Senhor é bom! Abençoado seja o homem que confia Nele.” “O Senhor é cheio de graça e de compaixão. Ele é o Deus da salvação.” “Ele alivia o coração dos infelizes e cura as feridas da alma. Ele é o Benfeitor Todo-Poderoso do homem”.

(41.2) 2:6.4 O conceito de um Deus rei-juiz, ainda que haja colaborado para desenvolver um padrão elevado de moralidade e criado um povo respeitador das leis enquanto grupo, deixava o indivíduo crente em uma posição triste, de insegurança com relação ao próprio status no tempo e na eternidade. Os profetas hebreus, mais recentes, proclamaram Deus como um Pai para Israel; Jesus revelou Deus como o Pai de cada ser humano. Todo conceito que os mortais fazem de Deus foi transcendentalmente iluminado pela vida de Jesus. O altruísmo é inerente ao amor paternal. Deus ama, não à maneira de um pai, mas como Pai. Ele é o Pai, no Paraíso, de todas as personalidades do universo.

(41.3) 2:6.5 A retidão indica que Deus é a fonte da lei moral do universo. A verdade exibe Deus como um Revelador, como um Mestre. Mas o amor dá afeto e anseia por afeto, procura a comunhão compreensiva, tal como existe entre pai e filho. A retidão pode ser própria do pensamento divino, mas o amor é a atitude de um pai. A suposição errônea de que a retidão de Deus fosse irreconciliável com o amor altruísta do Pai celeste, pressupôs a ausência de unidade na natureza de Deus e levou diretamente à elaboração da doutrina da expiação, que é uma violentação filosófica tanto da unidade, quanto do livre-arbítrio de Deus.

(41.4) 2:6.6 O Pai celeste afetuoso, cujo Espírito reside nos Seus filhos da Terra, não é uma personalidade dividida — uma, a da justiça, e outra, a da misericórdia. E também Ele não requer um mediador para assegurar o seu favorecimento ou o perdão de Pai. A retidão divina não é dominada pela estrita justiça de retribuição; Deus, enquanto um Pai, transcende Deus, enquanto juiz.

(41.5) 2:6.7 Deus nunca é irado, vingativo ou enraivecido. É verdade que a sabedoria, muitas vezes, restringe o Seu amor, assim como a justiça condiciona a Sua misericórdia rejeitada. O Seu amor pela retidão não pode evitar que, com a mesma intensidade, seja manifestado como ódio ao pecado. O Pai não é uma personalidade incoerente; a unidade divina é perfeita. Na Trindade do Paraíso há uma unidade absoluta, a despeito das identidades eternas dos coordenados de Deus.

(41.6) 2:6.8 Deus ama o pecador e odeia o pecado: tal afirmação é verdadeira filosoficamente; contudo, Deus é uma personalidade transcendental, e as pessoas apenas amam e odeiam às outras pessoas. O pecado não é uma pessoa. Deus ama o pecador porque ele é uma realidade de personalidade (potencialmente eterna), enquanto, em relação ao pecado, Deus não assume nenhuma atitude pessoal; pois o pecado não é uma realidade espiritual, não é pessoal; portanto, apenas a justiça de Deus toma conhecimento da existência dele. O amor de Deus salva o pecador; a lei de Deus destrói o pecado. Essa atitude da natureza divina mudaria, aparentemente, se o pecador afinal se identificasse completamente com o pecado, da mesma forma que a mente mortal pode também se identificar totalmente com o espírito Ajustador residente. Um mortal, assim identificado com o pecado, tornar-se-ia então inteiramente não-espiritual, na sua natureza (e, portanto, pessoalmente irreal), e por fim experimentaria a extinção do seu ser. A irrealidade, e mesmo a incompletude da natureza da criatura, não pode existir para sempre, em um universo progressivamente mais real e crescentemente mais espiritual.

(42.1) 2:6.9 Perante o mundo da personalidade, Deus é descoberto como uma pessoa de amor; perante o mundo espiritual, Ele é o amor pessoal; na experiência religiosa, Ele é ambos. O amor identifica o arbítrio volitivo de Deus. A bondade de Deus permanece no cerne do livre-arbítrio divino — a tendência universal para amar manifesta misericórdia, demonstra paciência e ministra o perdão.

7. A Verdade e a Beleza Divinas

(42.2) 2:7.1 Todo conhecimento finito e todo entendimento da criatura são relativos. A informação e os ensinamentos, ainda que colhidos de fontes elevadas, são apenas relativamente completos: precisos apenas em relação ao local e verdadeiros para a pessoa.

(42.3) 2:7.2 Os fatos físicos são suficientemente uniformes, mas a verdade é um fator vivo e flexível na filosofia do universo. As personalidades em evolução são apenas parcialmente sábias e relativamente verazes, nas suas comunicações. Podem estar certas apenas dentro dos limites da sua experiência pessoal. Aquilo que, pela aparência, pode ser totalmente verdadeiro em um lugar, pode ser apenas relativamente verdadeiro em outro segmento da criação.

(42.4) 2:7.3 A verdade divina, a verdade final, é uniforme e universal, mas a história das coisas espirituais, contada por inúmeros indivíduos, procedentes de várias esferas, pode, algumas vezes, variar quanto aos detalhes, devido a essa relatividade na totalização do conhecimento e na abrangência da experiência pessoal, bem como na duração e no alcance dessa experiência. Conquanto as leis e os decretos, os pensamentos e as atitudes da Primeira Fonte e Centro sejam eterna, infinita e universalmente verdadeiros, ao mesmo tempo, a sua aplicação e os ajustamentos que recebem, em cada universo, sistema, mundo, e inteligência criada, estão de acordo com os planos e a técnica dos Filhos Criadores, quando estes atuam e funcionam nos seus universos respectivos, tanto quanto em harmonia com os planos locais e os procedimentos do Espírito Infinito e de todas as outras personalidades celestes coligadas.

(42.5) 2:7.4 A falsa ciência do materialismo sentenciaria o homem mortal a reduzir-se a um marginal no universo. Tal conhecimento parcial é potencialmente um mal; é conhecimento que se compõe, tanto do bem, quanto do mal. A verdade é bela, porque é tanto completa quanto simétrica. Quando o homem busca a verdade, ele está buscando o divinamente real.

(42.6) 2:7.5 Os filósofos cometem o seu mais grave erro quando são levados à falácia da abstração e à prática de focalizar a sua atenção em um aspecto da realidade e de proclamar, então, tal aspecto isolado como sendo a verdade inteira. O filósofo sábio irá sempre recorrer ao projeto da criação que está por trás e que é preexistente a todos os fenômenos universais. O pensamento criador, invariavelmente, precede à ação criadora.

(42.7) 2:7.6 A autoconsciência intelectual pode descobrir a beleza da verdade e a sua qualidade espiritual, não apenas pela consistência filosófica dos seus conceitos, mas, ainda mais certa e seguramente, pela resposta inequívoca do sempre presente Espírito da Verdade. A felicidade vem como conseqüência do reconhecimento da verdade, porque esta pode ser factual, pode ser vivenciada. O desapontamento e a tristeza advêm após o erro, porque, não sendo este uma realidade, não pode ser factualizado pela experiência. A verdade divina é mais conhecida pelo seu aroma espiritual.

(42.8) 2:7.7 A busca eterna é de unificação, de coerência divina. O vasto universo físico faz-se coerente na Ilha do Paraíso; o universo intelectual faz-se coerente no Deus da mente, o Agente Conjunto; o universo espiritual faz-se coerente na personalidade do Filho Eterno. Mas o mortal isolado, do tempo e do espaço, faz-se coerente em Deus, o Pai, mediante a ligação direta entre o Ajustador do Pensamento residente e o Pai Universal. O Ajustador do homem é um fragmento de Deus e, para sempre, procura a unificação divina e se faz coerente com a Deidade do Paraíso da Primeira Fonte e Centro, e Nesta.

(43.1) 2:7.8 O discernimento da beleza suprema é a descoberta e a integração da realidade: o discernimento da bondade divina, na eterna verdade, é a beleza última. O encanto mesmo da arte humana consiste na harmonia da sua unidade.

(43.2) 2:7.9 O grande erro da religião hebraica foi não ter associado a bondade de Deus às verdades factuais da ciência e da beleza atraente da arte. À medida que a civilização progrediu, e enquanto a religião continuou a seguir o mesmo caminho pouco sábio, de enfatizar exageradamente a bondade de Deus, a ponto de negligenciar a beleza e de excluir relativamente a verdade, foi sendo desenvolvida, em certos tipos de homens, uma tendência crescente para desviar-se no conceito abstrato e dissociado da bondade isolada. A moralidade proclamada ao exagero e isolada da religião moderna, que fracassa em manter a devoção e a lealdade de muitos dos homens deste século, poderia reabilitar-se se, além dos seus mandados morais, tivesse a mesma consideração pelas verdades da ciência, da filosofia e da experiência espiritual, e pelas belezas da criação física, bem como pelo encanto da arte intelectual e pela grandeza de uma realização genuína de caráter.

(43.3) 2:7.10 O desafio religioso desta época é dirigido àqueles homens e àquelas mulheres que, pela sua visão ampla e voltada para o futuro, e, pelo discernimento da sua luz interna, ousarão construir uma nova e atraente filosofia de vida, partindo dos conceitos modernos, sutilmente integrados, da verdade cósmica, da beleza universal e da bondade divina. Uma tal visão, nova e reta, da moralidade, atrairá tudo o que existir de bom na mente do homem e convocará o que houver de melhor na alma humana. A verdade, a beleza e a bondade são realidades divinas, e à medida que o homem ascende na escala da vida espiritual, essas qualidades supremas do Eterno tornam-se cada vez mais coordenadas e unificadas em Deus, que é amor.

(43.4) 2:7.11 Toda a verdade — material, filosófica ou espiritual — é tanto bela, quanto boa. Toda a beleza real — a arte material ou a simetria espiritual — é tanto verdadeira, quanto boa. Toda a bondade genuína — seja a moralidade pessoal, a eqüidade social ou o ministério divino — é igualmente verdadeira e bela. A saúde, a sanidade e a felicidade são integrações da verdade, da beleza e da bondade, ao misturarem-se na experiência humana. Esses níveis de uma vida eficaz advêm da unificação de sistemas de energia, de sistemas de idéias e de sistemas espirituais.

(43.5) 2:7.12 A verdade é coerente, a beleza é atraente e a bondade estabilizadora. E quando esses valores, naquilo que é real, são coordenados na experiência da personalidade, o resultado é uma ordem elevada de amor, condicionado pela sabedoria e qualificado pela lealdade. O propósito real de toda a educação, no universo, é tornar efetiva a melhor coordenação do filho isolado dos mundos com as realidades mais amplas da sua experiência em expansão. A realidade é finita no nível humano: e é infinita e eterna nos níveis mais elevados e divinos.

(43.6) 2:7.13 [Apresentado por um Conselheiro Divino, atuando com a autoridade dos Anciães dos Dias em Uversa.]

Avatar for Miguel Lucas
CINTIA

DEUS ME ARRUME UM BOM MARIDO E UMA FILHA LINDA EM NOME DE JESUS!

Avatar for Miguel Lucas
CINTIA

DEUS ME ARRUME UM BOM EMPREGO EM NOME DE JESUS!

Avatar for Miguel Lucas
octavio mota

Bem neste momento estou sem palavras para a maravilha de texto poise encontro num estado muito mal preciso mesmo de ajuda e com sertesa que vou seguir os isercisio

Avatar for Miguel Lucas
Márcia Adrianny Santana

Parabéns pelo artigo Dr. Miguel Lucas !!! Ah, tbem percebi que o pessoal tava bastante inspirado !!! Gostei!!!

Avatar for Miguel Lucas
eldilene

Eu ame parecia que só eu pensava assim e ninguém ia mi entender

Avatar for Miguel Lucas
alexandre

lindo texto bem explicativo e motivador palavras que esclarecem e que orientam parabens faça sempre isso

Avatar for Miguel Lucas
Renata

Adorei as dicas, gostaria de saber se alguem sabe onde eu posso encontrar um amigo leal.
Grata

Avatar for Miguel Lucas
Aluisio

R. Amaral Gurgel, 165

Avatar for Miguel Lucas
Danielle Guerra

Venho procurando por um artigo que me auxilie na comprensão do que venho sentindo, pois tenho buscado todos os meios possíveis.
Já tive consultas com psicólogo e iniciei – mas nao dei continuidade, por não me sentir bem – um tratamento psiquiátrico.
Nada descreveu com tanta exatidão o que venho sentindo.
Preciso encontrar uma forma de "me resgatar".
Não sei mais o que fazer…

Avatar for Miguel Lucas
Luana

De algum modo, você conseguiu descrever tudo o que estou passando, coisa que nem eu consegui descrever para mim mesma, muito obrigado, esse post mudou completamente meu dia, e espero que mude muitos outros

Avatar for Miguel Lucas
Luiz Luz

Muito obrigado. Este texto veio em um momento muito dificil da minha vida. Esta eh a descricao mais precisa do que sinto. Que Deus lhe de multiplicadas, Miguel, o bem que voce compartilha.

Avatar for Miguel Lucas
CIRIA

Miguel, boa noite!
Intuitivamente ou pela minha busca interior para entender meus conflitos íntimos me identifiquei tremendamente com o que você publicou. Além de procurar fazer essas ponderações costumo ajudar quem me busca deixando claro que não vamos ficar largados na vida, mas seguir o percurso sem nos maltratar e a nossa obrigação por aqui na terra é ser feliz.
Felicidades!

Avatar for Miguel Lucas
Bárbara Kelly

Pra que serve o conhecimento senão para compartilha-lo? Excelente texto, parabéns e obrigada por dividir conosco.

Avatar for Miguel Lucas
Rufino

Muito obrigado pelas palavras, o mundo agradece.

Avatar for Miguel Lucas
Gaz

Excelente o seu texto!

Avatar for Miguel Lucas
Plínio

Amei todas as palavras lidas, descreve exatamente o que se esta passando comigo esse momento, vou praticar severamente os cinco ensinamentos, espero ter minha paz de espírito!!!

Avatar for Miguel Lucas
Marcondes

Olá Miguel!
Belo artigo. Mas, passando pelos comentários, pude perceber que uma grande parte sente-se exatamente como descrito no seu artigo. Sofre-se de um mal comum? Isso desencadeia-se? Esses são defeitos de fabricação ou de utilização?
Acho que o ser humano tem um modo operacional único mesmo. Por isso pode ser tangido……..respire…..respire…….respire….

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *