007: Permissão para ser humano
Saúde e Bem-Estar 22/09/2016

007: Permissão para ser humano

Miguel Lucas Publicado por Miguel Lucas

O título do artigo, poderia muito bem ser um título para um dos filmes de James Bond, mas não é! De qualquer forma, não deixa de ser uma arrojada missão. A missão de a todo o custo, contra tudo e contra todos, tão somente: Ser humano. Na actualidade esta é quase uma missão impossível, num dos lados da moeda temos a competitividade, expetativas elevadas, pressão social, exigências laborais, preocupação extrema, e do outro lado, os amigos entusiastas, as inúmeras terapias, os livros de auto-ajuda, os conselheiros, os gurus, os líderes que nos transmitem as mil e uma formas de como ultrapassar tudo isso e ser-se bem sucedido (umas das coisas que mais faço aqui no blog). Neste contexto paradoxal, fomos ganhando a noção que não podemos ter maus momentos, ou expressar desalento, desmotivação ou desilusão em alguma altura da nossa vida. Nada podia estar mais longe da verdade.

OPINIÕES E AFIRMAÇÕES DESMEDIDAS

Quando estamos tendo uma dificuldade na vida, as pessoas podem responder-nos das seguintes formas:

  • Você já leu este livro?
  • Talvez você possa tentar este suplemento nutricional.
  • Você já tentou orar de joelhos?
  • Não é tão ruim, você deve concentrar-se em todas as coisas boas na sua vida.
  • Você tem um bom mestre?
  • Já experimentou  yoga, ou terapia, ou uma desintoxicação com suco verde?
  • Porque você não coloca tudo para trás das costas?

Estas declarações podem fazer-nos sentir como não estando a trabalhar duro o suficiente, que estamos fazendo algo (ou não  estamos fazendo alguma coisa) que está causando a nossa dificuldade. Como psicólogo, e seguidor da psicologia positiva, admito que às vezes posso cair nessa armadilha. E como escritor aqui na Escola Psicologia, certamente pode parecer que faço isso através de títulos de artigos como:

Certamente, não sou o único a abordar estes temas com títulos que saltam à vista oferecendo “soluções” para alguns problemas que nos afetam, assim como outros que incentivam ao desenvolvimento pessoal e à melhoria da motivação. Não quero com isto dizer que estou a menosprezar os meus próprios artigos, ou as pessoas que tentam na sua melhor das intenções ajudarem quem expressa algum mal-estar ou que atravessam uma fase difícil na vida. O que pretendo dizer, é que os problemas devem ser encarados inicialmente com alguma naturalidade e o devido enquadramento, levando em consideração  a duração, frequência e intensidade do mal-estar. E, não simplesmente livrar-se dele, como se fosse uma contaminação ou moralmente desaprovado.

Por esse motivo, e apesar de utilizar títulos sugestivos que apontam para a positividade perante situações exigentes  e difíceis, e ao mesmo tempo que transmitem esperança na resolução dos problemas, nunca pretendo passar a mensagem que devemos repudiar a tristeza, medo, sentimentos negativos ou estados de humor diminuído. Pelo contrário, devemos sim saber interpretar o que esses estados ou sensações nos transmitem e que por vezes temos que inevitavelmente sentir aquilo que sentimos, sem dramas, miserabilismos ou sentimentos de culpa e incapacidade. Simplesmente sentir, para numa fase posterior e adequadamente mudar de estado, sentimentos ou situação.

007

ACEITAÇÃO E COMPREENSÃO DA RAZÃO DOS MAUS-MOMENTOS

Nas mensagens e ensinamentos que transmito, procuro sempre expor os assuntos apresentando uma dupla perspetiva. Por um lado, esperança, motivação, convicção, positividade, otimismo e ações face aos objetivos. Por outro lado, que os sentimentos negativos, mal-estar ou problemas pessoais são acontecimentos normais que nos infligem sofrimento, mas que o sofrimento pode ser encarado de forma razoável e sem que necessariamente seja um drama ou trauma. Tal como expresso nos seguintes artigos:

Não quero transmitir a ideia de que os problemas que enfrentamos, não nos fazem sofrer, ou que tenhamos que conviver com isso de forma passiva. Não é isso que pretendo passar para o leitor. Inevitavelmente em determinadas situações o sofrimento pode tornar-se muito destruidor e incapacitante, levando a pessoa a um estado de confusão ou desespero. É nestas situações que se justifica a ajuda profissional, com o devido enquadramento e aplicação de terapias ou programa de recuperação estruturado.

No entanto, o problema no fornecimento inequívoco e apressado de soluções para muitos  dos problemas que as pessoas enfrentam, é que as pessoas podem sentir-se culpadas, inadvertidamente, pelo seu sofrimento. A mensagem transmitida é: “você não deveria sentir -se assim, agora vá e faça alguma coisa acerca disso.”

A mensagem mais correta será: Mesmo com esses sentimentos de incapacidade, que não têm de ser necessariamente destruidores, é possível melhorar.

ENFRENTAR PROBLEMAS NÃO É UM DEFEITO PESSOAL

Então, ao invés de eu escrever outro artigo sobre o que você pode fazer de diferente, eu pretendo relembrá-lo de que em determinadas alturas da vida sentir-se mal ou ter pensamentos negativos por curtos períodos, pode não ter mal nenhum. Isso não significa que você está com um “defeito” qualquer, ou problemas psicológicos ou que é menos feliz ou menos bem sucedido que os outros. Recuos, adversidades, obstáculos, erros, fracassos, desilusões e desesperança, certamente em alguma altura da sua vida irá aparecer alguma desta coisas no seu caminho. Tudo isto não são sinais de que  necessariamente você seja fraco, incapaz ou um fracassado. Esses sinais só querem dizer que você é humano, assim como todos nós.

Dica: Permita-se ser humano. Permita-se a sentir aquilo que o seu corpo lhe transmite, para o bom e para o mau. Dias maus, tristeza, mau-humor, desilusão, frustração, mágoa, raiva, medo, preocupação, quem não sente, quem não tem? Nem sempre, nem nunca.

Aqui estão três coisas que não vão mudar a sua circunstância de vida para melhor, mas certamente podem ajudar a não sentir-se mal e culpado com tudo o que possa estar a enfrentar:

Aceitação: Às vezes a vida é um desafio e na maioria das vezes incerta, com muitos acontecimentos fora do nosso controlo. Aceitar este facto pode ajudar a remover o sentimento de culpa, quando estamos tentando superar o que temos entre mãos.  Relativizar e perceber que em múltiplas circunstâncias estamos à mercê do universo vasto e misterioso e que a nossa condição humana é susceptível de sofrer consequências exteriormente impostas.

Auto-Aceitação: Esta é uma forma ligeiramente diferente de aceitação. A auto-aceitação, significa que o nosso corpo e mente estão preparados para nos fazer ter sensações e pensamentos negativos, tal como positivos. Ou seja, que apesar de sentirmos isso, não quer dizer que sejamos isso, ou que iremos ficar assim eternamente. Sentir-se mal não é o fim do mundo. Confundir-se ou fundir-se a essas sensações negativas e atribuir-lhes uma conotação mais negativa do que na realidade têm, é que faz aumentar ainda mais o problema que se enfrenta e consequentemente entrar numa espiral negativa.

Exprima os seus sentimentos: Não deixe que a ameaça de conselhos indesejados faça você parar de compartilhar o que está experienciando. Falar com alguém da sua confiança pode aliviar a sua carga emocional. Cabe a nós discernir se devemos ou não levar em consideração as soluções que os outros nos oferecem ou se impropriamente nos estão a fazer sentir mal pelos nossos problemas.

Certamente em determinadas circunstâncias, nós até podemos ser os mais responsáveis dos maus momentos que estamos a atravessar. No entanto, evite colocar sal nas suas próprias feridas só porque acha que deve punir-se ou que no fundo tudo acontece assim porque sente-se inferior.

Se alguém está compartilhando alguma dificuldade com você, eu encoraje-o a lembrar-se do mesmo. Você pode perguntar se a pessoa está à procura de conselhos ou se só precisa que a escute. Na maioria das vezes, as pessoas sabem o que precisam e ficam satisfeitas quando conseguem perceber isso.

Dica: Aceite esta missão. Permita a você mesmo, ser humano.

Abraço

Novo usuário?
Comece aqui
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”
Obtenha Grátis o Programa “Diga Não À Depressão”

Receba os vídeos gratuitamente no seu email e aprenda como superar a depressão.

Comentários
Avatar for Miguel Lucas
maria

Olá Miguel Lucas!
Sem dúvida algo que faz falta ouvir é isso mesmo: ” não se sinta tão culpado por se sentir mal”.
Já tive uma depressão bastante incapacitante e ficava sempre pior quando alguém “bem- intencionado” me dizia que tinha de reagir, não me podia ir abaixo, tinha muito por que lutar; enfim, coisas para mim impossíveis de fazer na altura.
Faz-me lembrar um médico que tratava problemas de insónia e a primeira coisa que dizia aos seus pacientes era:” para a próxima vez que tiver uma insónia, faça um favor a si mesmo e não se incomode com isso, aproveite a pôr alguns assuntos em dia; por si só fazia desaparecer muita da ansiedade ligada à insónia.
Quando passamos por momentos complicados, ter alguém que não nos assoberbe logo com pensamentos positivos e nos deixe tempo para sermos humanos pode ser a melhor ajuda.

cumprimentos

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Maria, obrigado pelo comentário.

Sim, na verdade aquilo que mais lógica pode fazer para um amigo ou alguém que desconhece o problema é de todo desadequado para quem sofre. Parecendo que por vezes sofrer não faz parte da vida ou que tem alguma coisa de errado. Os sentimentos negativos assim como os positivos devem ser levados em consideração e enquadrados na nossa situação. Percebê-los, e depois em consciência fazer algo que possa permitor irmos em frente.

Existe um tempo para tudo, apressar a mudada de estado por vezes não é a melhor opção.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
Maria Elisa

B.Dia.
Eu tiro alguns apontamentos dos seus artigos,quando fala de algumas soluções que ajudam a tranquilisar o desconforto que muitas vezes sinto,e ando com elas.Leio,releio,e consigo acalmar-me.Agora sei que não sou louca.
Obrigada.

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Olá Maria Elisa, obrigado pelo comentário.

Fico imensamente contente que os artigos lhe tragam alguma tranquilidade e tenham servido para perceber que afinal, os seus sentimentos são naturais de ser sentidos.

Boa continuação.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
Luísa Jorge

Muito bem !!!
Um artigo que estava a ser necessário. Tenho constatado que perante uma pessoa com problemas e com sentimentos de tristeza, o ouvinte sente-se incomodado, não sabe sequer como reagir. A tendência é de imediatamente negar essa tristeza dizendo ” não fiques assim …, lê isto… , isso passa… , diz-se uma frase motivadora , etc “. Negar não é resolvente, nem ajuda a resolver…

Avatar for Miguel Lucas
Miguel Lucas

Lá Luísa Jorge, obrigado pelo comentário.

É isso mesmo Luísa, na sua generalidade as pessoas tornaram-se hipersensíveis ao mal-estar (mesmo que temporário) e aos sentimentos e pensamentos negativos. Mas nem sempre são pejurativos ou catastróficos, são uma condição da nossa vida enquanto seres humanos. Sentimos e temos consciência (na grande maioria das vezes) daquilo que sentimos e isso é uma realidade.

Obrigado pelo seu reforço!

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
Lila

Muito bom artigo,estava precisando ler isso, Aceitar a realidade da vida. aceitar-me,e encontrar alguém que me escute sem me dar conselhos ou oferecer soluções óbvias e mágicas, me criticar ou julgar são algumas das coisas que mais estou precisando no momento, ser humana sem culpa por sentir-me fraca de vez em quando.

Avatar for Miguel Lucas
Mara Dias

Ola, Gosto muito de seus texto e aproveito muito dos conteudos expostos.
Apenas uma resalva, tens como tirar as propagandas que ficam aparecendo por sobre os textos?
Fica minha dica.

Abraço

Avatar for Miguel Lucas
lindsy

Nossa é incrivel como eu me encontro nos seus textos,e na forma como trabalha, eu valorizo muito, aliás so quem já passou por problemas emocionais graves de simplismente perder sem querer a graça na vida pode realmente entender, e os profissionais como voce, que nos ajuda a recuperar a alegria na vida,mostrando para nos mesmo como podemos nos ajudar a consertar a forma detuparda como passamos a pensar depois de um esgotamento total enocional.Voce é um otímo profissional que Jeová o abencõe por nos ajudar.

Avatar for Miguel Lucas
Anabela Francisco

Muito bom dia Miguel Lucas,

Olá Miguel escrevo apartir de Angola tenho recebido os seus artigos atraves do email, e só tenho que te a gradecer pelos textos que tu tem publicado sobre os mais variados temas, força e continue a escrever mas temas.

Gostaria que o Miguel escreve-se temas sobre Relacionamentos entre casais (namorados) enfim sei que ja tem escrito variados temas dentre eles o sobre relaciomentos etc. mas é que hoje em dia parace que os seres humanos estão a valorizar mas o materialismo e deixam departe o amor, o valor que o cada pessoa representa numa relação, e muitos ate perdem a dignidade e o respeito mútou, porque muitos já não acreditão o amor existe….

Quero muito saber do seu ponto de vista como Psicologo. Obrigada.

Avatar for Miguel Lucas
Libério Marciano da Cunha

Parabéns Miguel seus textos são de ótima qualidade. São bons não para quem precisa de ajuda mas também para um aprendizado para a vida. Nós nós encontramos sempre em situações que precisamos de muita sabedoria para podermos sair de situações que não
nós machuquemos.Parabéns continue a ajudar pessoas com os seus textos.Um abraço.

Avatar for Miguel Lucas
João

Um bom trabalho. Enquanto lia seu texto, percebia quantos momentos não permito comportamentos comuns ao desalento e tristeza. Defendendo-me sabe lá de que e sabe-se lá para que?
Tal qual o café da manhã, devemos alimentar o afeto da tristeza, tanto quanto a alegria e os desejo.

Parabéns, divulgarei seu trabalho.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *